Agronegócio: uma nova visão das formações voltadas para o campo

0
3

Alguém duvida do potencial do agronegócio para gerar emprego? Em outras palavras, esse setor econômico representa nada menos que 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Ou seja, o somatório das riquezas produzidas no país. Com a retomada da economia, o agronegócio segue em alta e, com ele, as mais variadas possibilidades de carreira profissional. Para quem quer trabalhar no campo, um bom começo é procurar uma formação adequada, tanto de graduação como pós-graduação. Vamos dar algumas dicas.

Existem inúmeros cursos de qualidade voltados para o agronegócio. Nos últimos anos, carreiras que ligam a parte de tecnologia com o campo também ampliaram a visão do mercado de trabalho na área. O campo de atuação vai muito além da agronomia. Há ofertas mais específicas no mercado, como por exemplo o curso de irrigação e drenagem, ou até engenharia de biossistemas.

Em resumo, quem deseja trabalhar com o agronegócio tem uma área muito promissora para investir profissionalmente. Após a graduação, encontramos também muitos cursos de pós-graduação com base no desenvolvimento desse setor. Pode ter certeza: existem poucos lugares no mundo tão atraentes para trabalhar e estudar sobre agronegócio do que no Brasil.

Se interessou sobre o assunto? Confira mais detalhes sobre o agronegócio e as carreiras possíveis nesse post.

Leia também:  E-book grátis ensina como fazer uma transição de carreira. Baixe agora!

Agronegócio e a alta empregabilidade

Como falamos no início do texto, se você possui alguma formação na área do agronegócio terá um alto índice de empregabilidade. Isso porque o agronegócio proporciona condições únicas no Brasil para seu desenvolvimento. Tanto que o país é um dos maiores produtores de alimentos do mundo. Já imaginou a quantidade de campos e lavouras existentes, além de potenciais áreas de cultivo, existentes no Brasil?

Por outro lado, atualmente, a área também precisa buscar o delicado equilíbrio entre produção e conservação ambiental. Na verdade, um depende do outro. Em primeiro lugar, uma produção desenfreada e sem cuidado com o meio ambiente pode destruir o solo e inviabilizar a atividade. Em segundo lugar, a conservação ambiental deve sempre estar atrelada a essa produção. Para evitar o desmatamento sem limites, por exemplo.

É nesse contexto que surgem muitas formações distintas na área, com alta demanda por profissionais capacitados. No sentido de que o futuro do agronegócio, apesar dessa pujança, depende e muito de práticas e tecnologias de conservação ambiental. Aí entra, por exemplo, a inovação no campo.

Para você ter uma ideia, segundo dados da consultoria Michael Page, as contratações no agronegócio aumentarem em 25% entre 2016 e 2017, mesmo em período de crise econômica. Os salários na área podem variar de R$ 6 a R$ 25 mil por mês. Atraente, não?

O presente e o futuro do agronegócio

Atualmente, o agronegócio brasileiro está voltado a assuntos como mudanças climáticas, agricultura de baixo carbono, agricultura de precisão, big data e gestão da informação. Também tenta se adaptar ao Novo Código Florestal brasileiro, além de implementar controles sanitários na produção e investir em pesquisas e inovação.

Já no futuro, as discussões estarão focadas na necessidade de criação de cadeias globais de suprimento de valor, a valorização das certificações, o combate ao desperdício de alimentos. Além disso, políticas de bem-estar animal, e saúde e nutrição de pessoas. Por que é importante elencar esses fatores agora? Porque é esse, justamente, o norte do agronegócio nos próximos anos.

Com isso, o reflexo é direto no mercado de trabalho e nas formações para atender as demandas por profissionais qualificados. Portanto, se você pretende trabalhar com agronegócio, comece a se informar melhor sobre os assuntos do presente e do futuro na área.

As carreiras mais em alta no agronegócio

A consultoria Michael Page, que pesquisou o nível salarial do agronegócio, também listou os quatro perfis de profissionais mais procurados pelas empresas do setor. Vamos listar abaixo, com alguns cursos mais indicados para quem pretende seguir em uma dessas carreiras. Confira:

Gerente de fazenda

Tarefas: Faz a gestão da fazenda, está à frente da equipe técnica e acompanha o trabalho das pessoas na propriedade. Fica por dentro também da gestão financeira dos negócios.
Perfil profissional: Formação em engenharia agrícola, com pós-graduação em agronegócio. É esperado domínio técnico e capacidade de gestão.

Coordenador técnico: irrigação, tratos culturais, monitoramento de pragas ou controle da qualidade

Tarefas: É subordinado direto do gerente da fazenda. É uma espécie de coordenador responsável por uma das linhas de produção da fazenda. Trabalha com foco na produtividade e qualidade na sua área.

Perfil profissional: Aqui, o conhecimento técnico é prioridade. No entanto, noções de gestão também são procuradas, pois o profissional também terá seus subordinados. Por isso, experiência com motivação de equipes é importante. O curso de Irrigação e Drenagem e Agropecuária se encaixam nesse perfil, por exemplo.

Controller

Tarefas: Planejamento, organização e desenvolvimento das finanças da fazenda. Também atua de perto com a contabilidade e indicadores de performance.

Perfil profissional: Formação em contabilidade, administração e cursos ligados à gestão de finanças.

Leia também: O que faz um controller: a formação e o mercado de trabalho

Coordenador/gerente comercial

Tarefas: Está atento à estratégia comercial do negócio nas fazendas. Atende clientes e incentiva os funcionários para divulgar os produtos.

Perfil profissional: Formação em engenharia agrícola, zootecnia ou veterinária, pois é preciso ter afinidade técnica e domínio dos assuntos para conversar com os clientes. Para isso, também é desejável fluência em diferentes idiomas. Até porque é comum as fazendas exportarem seus produtos para outros países.

Impulso na pós-graduação

Como vimos anteriormente, o agronegócio deu vazão a muitas opções de graduação para atender a demanda de mercado por profissionais qualificados. Por outro lado, a pós-graduação também tem sido uma opção, principalmente para quem já trabalha na área e busca conhecimentos na área de gestão, finanças, marketing e tecnologia.

Em outras palavras, são cursos para atualização voltados para engenheiros, agrônomos, veterinários, entre outras carreiras de perfil técnico da área. Nesse sentido, há instituições que oferecem, por exemplo, cursos de MBA em Gestão Estratégica do Agronegócio, ou em Agronegócio, também na modalidade a distância. O curso aborda questões mais abrangentes de mercado para auxiliarem os gestores a terem bons resultados.

Há também mestrado profissional em Agronegócio, curso com duração de dois anos e que exige imersão total nos estudos. Como você pode ver, a pós-graduação entra como uma complementação necessária para profissionais que já atuam no agronegócio.

Leia mais: Conheça os tipos de pós-graduação e qual mais combina com você

Aposte no agronegócio!

O que achou da nova visão do agronegócio no Brasil? Viu como são muitas oportunidades de carreira na área? Para isso, é importante buscar a qualificação que mais tem relação com o seu perfil.

O campo de oportunidades é tão promissor que o agronegócio também tem atraído executivos de outras áreas. Portanto, nada impede que você faça uma transição de carreira e migre para o agronegócio.

Acompanhe mais informações sobre cursos, capacitações, bolsas, mercado de trabalho e dicas no blog Vai de Bolsa.