O desejo de ingressar no ensino superior e construir uma carreira geralmente é o que motiva estudantes a passarem horas debruçados sobre livros e frequentando cursinhos. No entanto, para muitos, passar no vestibular é apenas o primeiro passo de uma jornada que envolve vários outros obstáculos – entre eles, como conseguir bolsa de estudos em faculdades particulares. As bolsas são importantes porque, para muitos estudantes, a mensalidade dessas universidades não cabe em seus orçamentos.

Considerando que muitos cursos de graduação se estendem durante vários anos e nem sempre permitem conciliar aulas com trabalho, é fácil perceber como as bolsas de estudos são essenciais para os estudantes que não têm muitos recursos financeiros à disposição e tiveram de optar por universidades particulares. Felizmente, há boas opções para quem precisa de uma ajuda. Confira, neste texto, algumas alternativas de como conseguir bolsa de estudos em faculdades particulares e começar logo o seu curso superior!

Como conseguir bolsa de estudos em faculdades particulares via Prouni

O Programa Universidade para Todos (Prouni) é uma das principais portas de entrada para quem está buscando bolsas de estudos em instituições privadas. O programa oferece bolsas integrais ou parciais, sendo que, neste último caso, 50% do valor da mensalidade é custeado pelo aluno.

Podem se cadastrar no programa do governo federal os estudantes que fizeram o ensino médio na rede pública ou que eram bolsistas integrais em escolas particulares. As bolsas integrais do Prouni são voltadas para estudantes que possuam renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Já as parciais, de 50% do valor da mensalidade, podem ser acessadas por aqueles que tenham renda familiar, por pessoa, de até três salários mínimos.

O principal critério de distribuição das bolsas é a nota obtida pelo estudante no Enem no ano anterior ao ingresso na faculdade. É preciso ter alcançando no mínimo 450 pontos na média das cinco provas e não ter zerado a redação. Por fim, vale lembrar que somente quem não tem nenhum diploma de ensino superior pode tentar a bolsa pelo Prouni.

Como conseguir uma bolsa de estudos direto com as universidades

Muitas faculdades particulares aproveitam o Prouni para selecionar seus bolsistas, mas várias outras instituições de ensino têm seus próprios processos seletivos. Esses processos geralmente envolvem o nível de renda do candidato e seu desempenho no vestibular.

Uma das maiores instituições privadas de ensino superior do país, a Faculdade Estácio, por exemplo, oferece bolsas de estudo durante todo o período de matrículas. Os descontos variam de acordo com as unidades da faculdade, dos cursos e das modalidades de ensino oferecidas. Para os alunos que desejam utilizar a nota do Enem, por exemplo, a Estácio oferece bolsa a partir de 40%. Esse desconto pode chegar a 100%no primeiro semestre e a 50% para o restante do curso no caso do aluno ter conseguido 900 pontos ou mais no Enem.

Além disso, a Estácio oferece bolsa a partir de 30% – e podendo chegar a até 70%, dependendo da campanha oferecida pela instituição – para quem faz o Vestibular. Para quem já está estudando em outra faculdade e deseja transferir o seu curso para a Estácio, a bolsa oferecida é de 55%. Para quem já tem uma graduação, não há a necessidade de fazer vestibular para entrar na faculdade. Além disso, a pessoa ganha o incentivo de uma bolsa de estudo de até 40% – podendo chegar a 50%, dependendo da campanha.

Nesses e em outros casos de bolsas de estudos oferecidas pelas instituições de ensino superior, o importante é pesquisar nos sites das universidades com antecedência e conferir todas as regras, que podem variar conforme os cursos de graduação escolhidos.

Programas estaduais

Alguns governos estaduais também têm seus próprios programas de incentivo para alunos que querem fazer um curso de graduação mas não podem arcar com todas as despesas. A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, por exemplo, tem um programa chamado Bolsa Universidade. O estudante que acessar esse programa terá metade do valor da mensalidade custeado pelo governo e a outra metade paga pela instituição de ensino privada.

A renda mensal do candidato e da sua família é um dos critérios de classificação do Bolsa Universidade, mas o principal diferencial aqui é que, em contrapartida, os bolsistas selecionados se comprometem a desenvolver atividades nos finais de semana, em escolas estaduais ou municipais de São Paulo. O bolsista pode fazer uma oficina relacionada ao seu curso ou mesmo aproveitar uma habilidade pessoal, como dar aula de violão, por exemplo.

O governo estadual de Santa Catarina também tem um programa semelhante, chamado Uniedu, que é voltado para cursos de graduação e pós-graduação. Para participar, o aluno se cadastra por meio da Secretaria de Estado de Educação, mas o processo seletivo é conduzido por cada faculdade.

As bolsas oferecidas pelo governo catarinense custeiam entre 25% e 100% da mensalidade. Em 2018, o programa ofertou 24 mil bolsas de graduação em Santa Catarina.

Ajuda das fundações

Outra alternativa para o aluno é buscar a ajuda de instituições e fundações sem fins lucrativos. A Fundação Estudar é uma dessas organizações. Há quase trinta anos, ela oferece bolsas tanto para universidades particulares brasileiras quanto para estrangeiras.

A seleção não é feita por meio das notas conquistadas em vestibulares tradicionais e sim através de um processo de seleção que contempla sete etapas eliminatórias. Faz parte desse processo, próprio da Fundação Educar, testes de perfil e lógica, entrevistas e conversas com ex-bolsistas.

As bolsas de estudos da Fundação Estudar têm uma grande gama de possibilidades. Elas podem variar de 5% até 95% do valor da mensalidade e podem incluir não só o valor das mensalidades do curso de graduação mas também outras despesas, como moradia, livros, transporte e alimentação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui