Você tem uma mente curiosa e inquieta, gosta de estudar e pesquisar, de investigar como funciona o universo e tem uma forte admiração pela ciência. Gosta de assistir aqueles filmes de ficção científica, com cientistas vestidos de jaleco resolvendo diversos problemas. Saiba que é possível atuar profissionalmente nesse universo, com uma carreira bem promissora. Por isso, nesse post, vamos contar como ser cientista. Um dos passos cruciais, por exemplo, é investir no aprendizado de idiomas.

A verdade é que todas as áreas precisam de cientistas. Como a de dados, por exemplo. Veja a seguir o que faz esse profissional e qual a importância dele para a humanidade e para o avanço da ciência.

Como ser cientista em alguns passos

Para exercer a profissão de cientista é preciso que você tenha afinidade em alguma área que tenha investigação e pesquisa. Por incrível que pareça, as áreas de atuação podem ser muitas, desde a área das Exatas, das Ciências Naturais ou até mesmo das humanas.

O outro passo fundamental é ingressar em uma graduação. Pois é nesse espaço que é possível obter bolsas de estudo, orientação, entre outros recursos necessários nesse nível de ensino.

tim-controle-banner

5 passos para se tornar cientista

Se não fosse pela ciência, certamente, o ser humano não conheceria a resposta para inúmeros enigmas do universo e da humanidade. Ondas de rádio seriam ainda desconhecidas, a cura para diversas doenças e transplante de órgãos também não seriam possíveis.

Portanto, se você tem apreço pela ciência e quer ser um cientista, mas ainda não sabe como, veja a seguir alguns passos:

1 – Defina a área de atuação

Uma coisa é fato: ninguém atinge um objetivo sem ter um foco, na área da ciência isso não é diferente. Portanto, o primeiro passo para se tornar um cientista, é preciso ter autoconhecimento e entender cedo qual é área que você tem afinidade.

Se você ainda está confuso quanto as amplas possibilidades de atuação no ramo da ciência, talvez seja uma fazer um teste vocacional. Não que ele vá simplesmente acabar com a dúvida, mas poderá fornecer um norte, principalmente na hora de escolher um curso na faculdade.

Para definir uma área de atuação, é importante começar pelo básico. Ao definir qual área você tem mais afinidade, comece a estudar os fundamentos dela. Essa é uma maneira de formar uma boa base de conhecimento. E que fará muita diferença quando você estiver em estudos mais avançados.

Pois quem não domina a base da ciência que escolheu, não conhece a fundo a própria teoria em que a atua.

2 – Invista no aprendizado de línguas estrangeiras

Falar mais de um idioma é fundamental. Saiba que sem esse atributo, você não consegue avançar nos estudos acadêmicos, por exemplo. Pois para conseguir ingressar em um mestrado ou doutorado, é exigido proficiência em um segundo idioma.

Além disso, dominar uma segunda língua possibilita que você possa estudar em um país estrangeiro e ter uma formação diferenciada, podendo até trabalhar no exterior futuramente.

Além desses benefícios, ter o domínio pleno em outra língua, permite que você tenha um horizonte maior para pesquisar. Pois você vai poder ler artigos ou revistas científicas que são escritas em outros idiomas.

Saiba que cada país tem um desenvolvimento maior em uma área ou outra, essa pode ser uma maneira de saber como anda a investigação científica no exterior e isso pode trazer outros insights para a sua formação ou profissão.

Leia mais: Saiba quais os idiomas mas fáceis de aprender

3 – Invista em uma biblioteca própria

Agora que você já tem ciência de qual área você tem mais afinidade e tem certeza de que ela é o caminho profissional que você deseja seguir. Não esqueça de investir em uma biblioteca particular. Pois, sem isso, não será possível dar continuidade aos estudos e uma das fontes de onde vem o conhecimento sistemático é através dos livros.

Não existe nada melhor do que adquirir uma boa bagagem de leitura. Além disso, ter a segurança de que você tem em sua biblioteca o material necessário para enriquecer a pesquisa ou o estudo. Portanto, a biblioteca particular colocará você em um patamar diferenciado quando você precisar recorrer a algum livro que contenha um conteúdo necessário.

4 – Invista em uma pós-graduação

Se você deseja mergulhar verticalmente em algum estudo da área que você escolheu atuar, invista em pós-graduação. Saiba que para ser um cientista, fazer uma pós-graduação é praticamente obrigatório. Pois, é através de um mestrado e doutorado que a sua profissão terá validade acadêmica e visibilidade na sociedade.

Isso se deve ao fato da importância da titulação de mestrado ou doutorado para a profissão de cientista. Desse modo, a continuidade nos estudos acadêmicos farão com que você adquira cada vez mais domínio sobre a pesquisa.

E isso abrirá outras portas para o percurso acadêmico, permitindo que você seja um professor universitário e oriente outros alunos nas pesquisas.

5 – Mantenha-se atualizado

Para ser um bom cientista é fundamental nunca deixar a peteca cair. Para isso, é fundamental manter-se atualizado sobre as investigações que ocorrem na pesquisa que você realiza ou na área que você atua.

Portanto, essa questão fará com que você esteja sempre por dentro do assunto e sempre colabore e aprenda com ciência na hora de transmitir o conhecimento.

O que faz um cientista

Cientista nada mais é do que o profissional que domina com extrema precisão e sistematicidade a área que pesquisa. Desse modo, ele é o responsável por diversas pesquisas, descobertas e avanços tecnológicos nas mais diversificadas áreas.

Portanto, é um profissional essencial para o desenvolvimento da ciência, da educação e da tecnologia. Sendo assim, o cientista é um dos profissionais que mais colaboram na solução de diversos problemas que afetam a humanidade.

Além disso, o cientista é aquele que tem como fundamento o método científico de trabalho e é constantemente guiado por ele. Isso quer dizer que ele contribui para uma sociedade científica podendo refutar, confirmar ou corrigir as hipóteses resultantes de uma pesquisa.

Geralmente costumam ter seu trabalho vinculado a uma universidade ou órgão do governo que é dedicado à pesquisa de diversos setores. Além desses setores distintos, um cientista também pode pode trabalhar para empresas que necessitem da atuação desse profissional.

Quais as áreas estão em alta para a atuação de um cientista

As áreas mais em alta para esse profissional é a área da saúde e da tecnologia. Não que as outras não sejam importantes, mas essas duas áreas são aquelas que impactam diretamente na qualidade de vida do ser humano. Não há nenhuma felicidade maior ao descobrir a cura de uma doença ou a vacina para um vírus que causou uma epidemia.

Além disso, o mercado da tecnologia pode ser muito atrativo financeiramente, pois instiga o consumo. Portanto, a descobertas de novas tecnologias para essa área sempre causam muita curiosidade nas pessoas. Que acabam investindo uma parte da renda em novos produtos.

Além disso, a tecnologia permite avanços em outras área, como na medicina, por exemplo. Diversos exames podem ser realizados nos dias atuais devido ao avanço tecnológico. Principalmente, nos diagnósticos por imagens, que permitem descobrir problemas de saúde de forma menos invasiva possível.

O perfil de um cientista

Para ser cientista, a primeira premissa básica é gostar de ciência. Ela é o pilar que sustenta essa profissão. Mas, além dela, é preciso também gostar de estudar longas horas para ter conhecimento pleno da pesquisa que esteja sendo feita.

Além dessas questões, um cientista deve ter muita paciência e saber como lidar com a frustração. Pois na maioria das vezes as pesquisas podem chegar a nenhum resultado. Mas mesmo assim cumpre um nobre objetivo que é deixar mapeado um caminho para a pesquisa a ser feita.

Outra coisa que um futuro cientista deve saber é que a formação até chegar a exercer essa profissão pode ser muito demorada e carente de uma série de investimentos. Para isso, esse profissional deve ter muito amor a camisa para lidar com esses percalços. Sem que isso afete o lado profissional e pessoal.

Conclusão

Agora que você já sabe como se tornar cientista, provavelmente pode perceber a grandeza da atuação desse profissional. Quem sabe agora não é a sua vez de se dedicar às pesquisas e obter um resultado relevante para a humanidade? Além de desvendar os mistérios do universo?

Para isso, é preciso dar o passo inicial que é escolher uma área de atuação em potencial. O resto provavelmente será pura dedicação e comprometimento com a ciência.

Se você gostou desse assunto e deseja saber mais sobre educação, mercado de trabalho ou curiosidades, não deixe de acessar o blog Vai de Bolsa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui