como ser neurocientista

Como ser neurocientista: o que é preciso para se especializar na carreira

A neurociência é um ramo da ciência que estuda, entre outras coisas, o funcionamento do sistema central, ou seja, a partir do nosso cérebro e suas ramificações. É uma área repleta de mistérios e que desperta a curiosidade de muitas pessoas. Mas você já se questionou como ser um neurocientista? Na prática, a neurociência é uma especialidade de pós-graduação, e pode ser feita por profissionais de áreas como:

Entre todas as suas vertentes, a neurociência nos ajuda a entender melhor o nosso sistema nervoso e qual a influência sobre o funcionamento do corpo humano. E mesmo sendo amplamente citada no noticiário, principalmente quando acontece alguma descoberta na área, o entendimento da neurociência ainda é um mistério para muitas pessoas.

Confira neste artigo mais informações sobre a neurociência e como ser neurocientista. Descubra também as áreas de atuação e conheça alguns dos neurocientistas mais famosos do mundo. Depois dessa leitura, você saberá como faz para ser um neurocientista.

Acompanhe!

O que é neurociência

A neurociência é uma ciência interdisciplinar que se dedica ao estudo do sistema nervoso com o objetivo de:

  • Entender o seu funcionamento,
  • Compreender a sua estrutura;
  • Desvendar o seu desenvolvimento;
  • Entender as eventuais alterações do sistema nervoso no decorrer da vida.

E é por isso que o trabalho dos neurocientistas é extremamente minucioso e exige muita dedicação e estudos.

A neurociência estuda três elementos:

  • O cérebro;
  • A medula espinhal;
  • Os nervos periféricos.

tim-controle-banner

Afinal, em que trabalha um neurocientista?

De forma resumida podemos dizer que um neurocientista é o profissional responsável pelo estudo e análise das manifestações macro e microscópicas que ocorrem no sistema nervoso.

Entre as áreas de atuação de um neurocientistas estão:

  • Neurofisiologia: estuda as funções do sistema nervoso;
  • Neuroanatomia: estuda a estrutura do sistema nervoso e suas funções, dividindo-o em cérebro, coluna vertebral e nervos periféricos externos;
  • Neuropsicologia: estuda a relação entre o sistema nervoso e as funções psíquicas;
  • Neurociência comportamental: área relacionada a psicologia comportamental, estuda os fatores internos (pensamentos, emoções) e sua relação com o comportamento visível (fala, gestos, entre outras);
  • Neurociência cognitiva: estudo da capacidade cognitiva do indivíduo, que inclui o raciocínio, a memória e o aprendizado. 

Desse modo, um neurocientista pode trabalhar em laboratórios, clínicas, organizações de pesquisa, hospitais e também como professor em escolas e universidades.

Assim, quanto maior a especialização nesta área, maior também é o campo de atuação profissional.

Qual é o salário de um neurocientista?

A neurociência é uma área que remunera muito bem seus profissionais. Estima-se que assistentes de pesquisa em neurociência possam ganhar entre R$ 25 mil e R$ 35 mil. Já pesquisadores em fase pós-doutoral podem ganhar até R$ 45 mil, enquanto que os neurocientistas mais experientes ultrapassar a marca de R$ 60 mil.

Como fazer para ser neurocientista?

Como já citado no início deste artigo, para se tornar um neurocientista é preciso que o profissional, já graduado, faça uma especialização na área. Entre as graduações que preparam um profissional para se especializar em neurociência, estão os cursos superiores de:

  • Medicina;
  • Psicologia;
  • Farmácia;
  • Bioquímica;
  • Biofísica;
  • Biomedicina;
  • Biologia.

É importante destacar que é a partir do curso de graduação que o profissional irá direcionar a sua área de atuação dentro das possibilidades da neurociência.

Tem faculdade de neurociência?

A resposta é sim! A Universidade Federal do ABC, com Campus em Santo André e São Bernardo do Campo (São Paulo), oferece o curso superior em Neurociência na modalidade de Bacharelado. O aluno que deseja ingressar nessa formação precisa fazer isso por meio do Bacharelado interdisciplinar do curso de Ciência e Tecnologia.

Federal do ABC neurociência

Federal do ABC é uma das únicas que oferece graduação na área

Isso significa que o aluno deverá ser aprovado no curso de Ciência e Tecnologia e, após cumprir as disciplinas obrigatórias do curso e algumas exigências da graduação, solicitar uma reserva de vaga na formação específica em neurociência.

E é por isso que a comunidade acadêmica não considera a Neurociência como uma graduação, mas sim uma especialização à parte. 

Além disso, para se tornar um neurocientista você pode ter outras informações profissionais como já mostrado.

Pós-graduação em neurociência

No Brasil existem diversas opções de especialização através de pós-graduação em neurociência. Essas especializações tem duração média de dois anos e meio e são ofertadas nas modalidades presencial e também a distância.

De forma geral, as especializações em neurociência abordam disciplinas como:

  • Aspectos da Aprendizagem, Memória e Atenção na Neurociência
  • Neuropsicofarmacologia
  • Neurociência e Neuropsicologia
  • Envelhecimento cerebral e patologias relacionadas
  • Transtornos neuropsiquiátricos: estratégias de aprendizagem e inclusão, entre outras. 

Algumas das faculdades brasileiras que oferecem a pós-graduação em neurociência são:

  • Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC);
  • Universidade Paulista (UNIP);
  • Faculdade da Região Serrana (FARESE), no Espírito Santo;
  • Instituto Pedagógico de Minas Gerais (IPEMIG);
  • Grupo Educacional FAVENI, em Minas Gerais;
  • Faculdade Metropolitana do Vale do Aço (FAMEV), em Minas Gerais;
  • Instituto Souza, em Minas Gerais;
  • Centro Educacional Dom Alberto, no Rio Grande do Sul;
  • Faculdade Unyleya, no Rio de Janeiro e Maranhão, entre outras.

Portanto, o que é preciso para ser um neurocientista? A resposta é fazer uma graduação dentre as áreas correlatas e, depois, buscar uma pós-graduação em neurociência.

Neurocientistas famosos em todo o mundo

Para ajudar você a entender um pouco mais o papel da neurociência no desenvolvimento da humanidade, listamos aqui os neurocientistas mais famosos e importantes do mundo. Confira:

Antônio Damásio

Neurocientista português, Antônio Damásio dirige o Brain and Creativity Institute, na Universidade da Califórnia do Sul. Autor do livro “O Erro de Descartes”, o neurocientista defende que a parte do cérebro que controla as emoções e ações básicas está relacionado a parte da razão.

Sua frase mais famosa é “toda e qualquer expressão racional está baseada em emoções“.

o erro de descartes neurocientista

O Erro de Descartes é uma das principais obras de Antônio Damásio

César Nunes

O brasileiro César Nunes é professor titular da Faculdade de Educação da UNICAMP e coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas PAIDÉIA. Nunes é autor de 26 livros que abordam temas como: Ética, Filosofia, Educação e Sexualidade.

Conhecido no mundo todo, o neurocientista brasileiro é considerado um dos maiores palestrantes e conferencistas da área educacional.

Eric Kandell

Professor de neurociência na Universidade de Columbia, Eric Kandell é diretor do Instituto Kavli para a Ciência do Cérebro. Kandell defende a importância da neurociência para contribuir com mudanças significativas na Educação graças a estudos sobre o armazenamento de informações no cérebro.

Ivan Izquierdo

Radicado no Brasil, o neurocientista argentino Ivan Izquierdo é professor de medicina e coordenador do  Centro de Memória da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Izquierdo possui um amplo trabalho sobre armazenamento e evocação da memória.

O neurocientista é um dos mais reconhecidos e respeitados de todo mundo. É  Doutor Honoris causa da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e recebeu o Prêmio em Ciências da Fundação Conrado Wessel (2007).  Seu título mais importante é a nomeação como Professor Honorário da Universidade de Buenos Aires.

Susan Adele Greenfield

A neurocientista britânica Susan Greenfield é cofundadora da Neuro-Bio, empresa de biotecnologia com foco no tratamento de doenças degenerativas.

Famoso por popularizar a ciência, Greenfield pesquisa a psicologia do cérebro com ênfase no estudo das causas do mal de Parkinson e Alzheimer. Além disso, é reconhecida por seus livros, que abordam temas da neurociência, mas em linguagem acessível ao grande público.

Suzana Herculano-Houzel

Reconhecida por seu trabalho de divulgação científica, a brasileira Suzana Herculano-Houzel tem como foco a pesquisa de neuroanatomia comparada.

Entre as descobertas de seus estudos estão a  um método de contagem de neurônios em cérebros humanos e de outros animais e a relação entre a área e espessura do córtex cerebral e o número de dobras em sua superfície. 

Aposte na área de neurociência

Como faço para ser neurocientista? Fez sentido para você? Agora é hora de buscar mais informações sobre as graduações que podem capacitar você para atuar neste ramo tão importante da ciência.

Por isso, confira no nosso blog informações e dicas sobre graduações superiores das mais diversas áreas. 

Tags:
  • Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *