Saber como é feita a correção do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) é essencial para saber como estudar para a prova. Afinal de contas, nem tudo é sempre muito óbvio e a lógica de como funciona a essa correção pode ser um pouco mais complexa. Cada questão tem um peso diferenciado e, dependendo do volume de acertos entre os candidatos, é feito um balanço, minimizando que um participante chute e tenha benefícios por isso. Ficou curioso? Vamos dar detalhes do processo nesse post!

Em resumo, na prova do Enem, uma questão que obteve um grande número de acertos acaba tendo um peso menor, pois o sistema entende que o grau de dificuldade é menor e assim por diante.

Portanto, é bastante comum encontrar candidatos que tenham acertado o mesmo número de questões e com soma total diferente nos resultados finais. Isso acontece porque o método de correção não obedece a lógica comum a qual todas as questões têm o mesmo peso.

Se você quer entender melhor como funciona o sistema de correção do Enem, esse texto será útil. Além disso, é importante saber que com a nota do Enem é possível estudar em instituições de qualidade como Estácio, FMU e IBMR.

Leia também: E-book grátis: como fazer uma redação nota mil!

Entenda como é a correção do Enem

O Enem possui ao todo 180 questões objetivas, que são divididas em quatro áreas do conhecimento:

  • Matemática e Suas Tecnologias;
  • Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias;
  • Ciências Humanas e Suas Tecnologias;
  • Ciências da Natureza e Suas Tecnologias.

Para cada questão dessas áreas, existem cinco alternativas de respostas com apenas uma correta. Ao final de cada prova, o estudante deve preencher as respostas em um cartão específico.

Uma empresa é responsável pelo recolhimento dos cartões e após isso eles são encaminhados a uma unidade que faz a leitura óptica e capta as respostas e encaminha para um centro com equipes de três áreas distintas (matemáticos, estatísticos e psicometristas).

São esses profissionais os responsáveis pela análise das respostas e pelo balanceamento da pontuação das questões.

Métoto TRI

O método de análise, ao qual o Enem é submetido se chama Teoria da Resposta ao Item, conhecido também pela sigla TRI. Esse método é pode ser cruel para aquele que acerta as questões difíceis e erra as fáceis. Esse sistema entende que isso não é lógico, pois quem conseguiu dar conta de uma questão complexa, não deveria errar o que é mais básico, por exemplo.

Por isso acaba ocorrendo divergências nas pontuações finais, mesmo que com candidatos que tenham acertado o mesmo número de questões. Portanto, o que vale para esse método não é quantidade de acertos, mas sim a qualidade dos acertos. Desse modo, isso é entendido como um sistema justo e que faz diminuir as chances de sucesso em caso de chute.

Um fator que deve ser observado sobre os critérios de correção do Enem, é que ele avalia o conhecimento acumulado pelo aluno ao longo dos anos em que estudou no ensino médio. Por isso, os especialistas entendem que não é possível que todas as questões tenham o mesmo peso. Então o sistema entende que quanto maior o conhecimento acumulado do aluno, maior a chance de acertar as questões mais complexas, as que valem mais.

Divergências na média final

Desse modo, ele não terá dificuldades em acertar as que são mais simples. Sendo assim o método TRI interpreta que se o candidato errar questões fáceis, ele não tem conhecimento pleno em determinada área, descontando pontos importantes no resultado final.

Resumidamente, é isso que acontece para dar tanta divergência na média final de cada cada candidato. O que torna impossível prever a pontuação pela quantidade de acertos. Sendo assim, quem participar do exame, deve manter a coerência e consistência no acerto das questões e entender que o método de correção do Enem avalia os fatores qualitativos daquilo que o aluno conhece.

Como é feita a correção da Redação

Para a redação do Enem, o método é um pouco diferente e é um trabalho extremamente “braçal” feito individualmente por uma equipe de corretores. Pelo menos dois corretores avaliam a mesma prova sem que um tenha acesso a nota atribuída pelo outro.

Quando há uma divergência muito discrepante entre a nota de cada avaliador, a redação é submetida a uma outra avaliação, por um terceiro corretor. Caso permaneça a divergência, a redação será submetida a mais uma avaliação, composta por uma banca presencial de três examinadores, que vão definir a nota nessa última avaliação.

Para atribuir pontos na redação do Enem, cada avaliador deverá levar em conta as seguintes competências:

  • Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa;
  • Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa;
  • Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista;
  • Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação;
  • Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado que respeite os direitos humanos.

Cada uma dessas competências valem de 0 a 200 pontos, compondo um total de 1000 pontos. Portanto, cada avaliador atribui uma nota de 0 a 200 em cada uma dessa competências, somando todas elas como resultado final.

Sendo assim, a nota total da redação, será a média aritmética composta pelos dois avaliadores. Vale lembrar que funciona assim, caso não haja discrepância de 100 pontos na nota final ou 80 pontos em uma das competências.

Onde estudar com a Nota do Enem

Se você busca fazer uma graduação presencial e mora na região de São Paulo, saiba que você pode utilizar a nota obtida no exame para estudar no Centro universitário FMU. Caso você more no Rio de Janeiro, também é possível se candidatar a uma vaga na universidade IBMR. Para isso, basta visitar o portal das duas instituições para saber mais detalhes e ir em busca do tão sonhado diploma de ensino superior.

Por outro lado, se você mora em qualquer outra região e pretende investir em uma modalidade de ensino a distância, saiba que isso é possível através da instituição de ensino Estácio.

Vale lembrar que para cada uma dessas instituições, você pode utilizar a nota do Enem para se candidatar a uma vaga e além disso, dependendo do seu desempenho, é possível obter uma bolsa de estudos de até 100%.

Conclusão

E aí? Ficou mais claro sobre os métodos de correção do Enem? Para ir bem nesse exame, saiba que é importante saber como funciona esse processo. Pois ele difere um pouco das outras provas, porque o processo que funciona a correção é mais complexo.

Embora a matemática dessa correção seja um pouco complicada, obviamente uma grande número de acertos permite que se tenha uma boa pontuação final.

O cuidado que deve ser tomado é para não errar as questões mais simples para não diminuir a nota das questões que valem mais. Por isso, tenha cuidado redobrado e leia com atenção cada uma das alternativas e tome cuidado na hora que for passar as respostas para o gabarito.

Portanto, não deixe de dar uma lida no edital da prova, isso permite que você adquira um conhecimento importante sobre os conteúdos, ficando por dentro da maneira como a prova é conduzida. E lembre-se de manter a calma e a concentração na hora de realizar o exame, isso pode ser fundamental para ter um bom desempenho no Enem.

Se você gostou desse assunto e deseja saber mais sobre educação, mercado de trabalho ou curiosidades, não deixe de acessar o blog Vai de Bolsa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui