Saiba as diferenças entre Engenharia Automotiva e Engenharia Mecânica

0
8

Quem gosta de carros e pretende trabalhar na área já deve ter se perguntado quais as diferenças entre Engenharia Automotiva e Engenharia Mecânica. Afinal, os dois cursos têm muita coisa em comum. Mas atenção: eles não são a mesma coisa! Como você vai ver a seguir, o curso de Engenharia Automotiva possui uma formação bem focada na área automotiva. Já a Engenharia Mecânica é um pouco mais abrangente e estuda máquinas de forma geral. 

Ambos tem vantagens e desvantagens e a escolha vai depender dos objetivos do aluno. Por isso, se você gostaria de saber mais sobre essas duas graduações, continue lendo este artigo! Nele, vamos falar sobre as especificidades de cada uma das áreas, assim como a grade curricular dos cursos e o perfil dos profissionais formados. 

Em primeiro lugar, vamos entender um pouco melhor como é cada um dos cursos e comparar as vantagens e desvantagens das duas formações. Assim, você vai compreender melhor a diferença entre Engenharia Automotiva e Engenharia Mecânica.

Leia também: Podcast Guia de profissões: como é a carreira de um engenheiro civil

Como é o curso de Engenharia Mecânica?

O curso de Engenharia Mecânica forma profissionais envolvidos no projeto, desenvolvimento, produção, operação e manutenção de máquinas e equipamentos dos mais variados tipos. De forma resumida, podemos dizer que ele projeta máquinas. Mas elas podem ser utilizadas em diversos segmentos, como: construção civil, usinas de energia, indústria de alimentos e muitas outras. 

Por isso, o aluno precisa passar por um núcleo de disciplinas básicas no começo da graduação, com muitas matérias de exatas. Esse período dura, aproximadamente, dois anos e segue determinações do Ministério da Educação.

Em seguida, ele começa a aprender especificamente sobre o desenvolvimento de máquinas e equipamentos mais especificamente. 

Grade curricular

Como você viu, o início da graduação em Engenharia Mecânica é bem parecida com qualquer outra engenhariaNos primeiros anos, os estudantes veem disciplinas como: cálculo, geometria analítica, álgebra linear, física, mecânica dos sólidos, termodinâmica, entre outras. 

Depois, começam a surgir matérias mais específicas sobre o desenvolvimento de máquinas. Mas ainda abrangentes o suficiente para tratar da criação de diversos tipos de ferramenta. É nesse momento que aparecem temáticas como: processo de fabricação, motores e combustão, elementos de máquinas e mecânica dos fluidos, entre outras. 

Além disso, o estágio é obrigatório para a obtenção do diploma e deve ter, no mínimo, 160 horas comprovadas. Assim como o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), que precisa ser apresentado e aprovado.

Mercado de trabalho

Como você viu, o mercado de trabalho do Engenheiro Mecânico vai bem além dos carros. Ele pode atuar em diversas indústrias, como alimentos, têxtil e confecções. Mas seu principal nicho está na metalurgia básica, fabricação de máquinas, equipamentos e veículos. 

Entre as capacidades exigidas desse profissional estão raciocínio lógico, facilidade de trabalhar em equipe e habilidades de liderança. Afinal, ele geralmente comanda equipes e precisa encontrar soluções rápidas para os problemas da empresa.

Quando o assunto é salário, a média para essa ocupação fica em R$ 7.631 por 40 horas de trabalho semanal, de acordo com o portal Vagas.com. Mesmo assim, é importante lembrar que o piso nacional do engenheiro é de 6 vezes o salário mínimo vigente, por 6 horas de trabalho por dia.

O que acontece, em geral, é que profissionais pouco experientes acabam sendo contratados como assistentes ou analistas e, portanto, não recebem o salário de engenheiro.

Como é o curso de Engenharia Automotiva?

Da mesma forma que a Mecânica, a graduação em Engenharia Automotiva começa bem parecida com outras engenharias. É apenas partir do terceiro ano de curso que os alunos começam a perceber na prática as maiores diferenças. 

Isso porque o curso foca bastante no ramo automobilístico e envolve tudo que esteja relacionado a veículos. Quer entender melhor? Então veja a seguir como é o currículo da graduação!

Grade curricular

Depois dos dois primeiros anos, o curso de Engenharia Automotiva passa a ter diversas matérias focadas no desenvolvimento, produção e manutenção de carros e outros veículos. Alguns exemplos são:

  • Dinâmica Veicular;
  • Materiais e Processos de Construção Veicular;
  • Sistemas Veiculares I: Chassis, Suspensão, Direção;
  • Sistemas Veiculares II: Transmissão e Freio;
  • Projeto de Moldes e Matrizes a Indústria Automotiva;
  • Gestão da qualidade Automotiva;
  • Aerodinâmica Veicular;
  • Desenvolvimento de Produto Veicular.

Além disso, o curso também exige estágio obrigatório e Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para a obtenção do diploma. 

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para o engenheiro automotivo é um pouco mais restrito, por conta da formação mais especializada. Mas isso não significa que não existam diversas opções para esses profissionais. Alguns possíveis empregadores são:

  • Fábricas e montadoras;
  • Equipes de competição automobilística;
  • Empresas de importação de veículos;
  • Consultorias para empresas automobilísticas;
  • Empresas de inspeção, homologação e legislação automóvel;
  • Empresas de transporte, para a melhoria e inovação das frotas;
  • Manutenção;
  • Indústria de autopeças.

Além disso, vale ressaltar que a indústria automotiva representa mais de 20% de todo o Produto Interno Bruto industrial brasileiro. Assim como emprega mais de 500 mil pessoas em todo o país, segundo dados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Com relação aos salários, eles são similares aos do Engenheiro Mecânico, mas podem subir um pouco mais por causa da especialização. 

De acordo com o Site Nacional de Empregos (SINE), um Engenheiro Automotivo com mais de oito anos de mercado ganha cerca de R$ 8.700 em uma empresa pequena e pode chegar a receber R$ 15.000, caso trabalhe em uma grande empresa.

E quais as diferenças entre Engenharia Automotiva e Engenharia Mecânica?

Como você viu, entre as principais diferenças entre Engenharia Automotiva e Engenharia Mecânica, está na abrangência. Enquanto o primeiro curso é bem focado, o segundo é mais geral.

Isso faz com que o Engenheiro Mecânico tenha mais oportunidades de emprego e consiga migrar de área com mais facilidade. Além disso, o curso é bem mais comum. Segundo o MEC, há 189 graduações na área no Brasil. 

Mas isso não significa que a faculdade de Engenharia Automotiva não seja vantajosa. Por existirem menos cursos pelo país, os graduados tendem a ter maior valorização. Além de saírem da universidade com conhecimentos mais focados na área em que querem atuar. 

Portanto, a sua decisão pode focar mais nas suas próprias escolhas de carreira: você prefere focar em veículos ou gostaria de aprender mais sobre o funcionamento de máquinas e equipamentos em geral? Tem vontade de trabalhar em outros setores, como a construção civil, agronegócio ou energia?

Tudo isso precisa entrar na conta durante a decisão! 

Onde estudar?

Da mesma forma, encontrar uma boa universidade faz toda a diferença. Entre as instituições de ensino que oferecem o curso de Engenharia Mecânica estão a Estácio e a FMUJá a graduação de Engenharia Automotiva é um pouco mais difícil de encontrar. Atualmente, ela é oferecida na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e outras instituições privadas. 

Por fim, existe a opção de cursar Engenharia Mecânica e depois uma especialização na área automotiva. Essa alternativa é oferecida também pela USP e pela UFSC. 

E se você gostou de entender a diferença entre Engenharia Automotiva e Engenharia Mecânica, continue lendo aqui sobre o futuro dessas profissões!