Cadastre-se
Cadastre-se e receba dicas, descontos, notícias e informações sobre o mundo da educação!
curso de fisioterapia

Curso de fisioterapia: é o melhor curso para mim?

O curso de Fisioterapia continua chamando a atenção de diversos jovens espalhados por todo o Brasil. A faculdade segue, todos os anos, sendo muito procurada por quem deseja ingressar na área da saúde.

Assim, centenas de cursos se encontram ao longo de todas as regiões do país. A alta demanda por vagas no Curso de Fisioterapia reflete, também, uma demanda por mais desses profissionais na sociedade.

Mas será que o Curso de Fisioterapia é a ideal para você? Conheça, a seguir, mais detalhes sobre a faculdade e tire suas dúvidas. Depois que terminar a leitura deste artigo, provavelmente você terá uma ideia melhor sobre o curso. Então arrume sua postura e boa leitura!

Leia também: Fisioterapia e Terapia Ocupacional: saiba qual a diferença!

Bolsa ENEM
👉 Estão abertas as inscrições para o VESTIBULAR Estácio que está chegando com 70%* de desconto em todo curso.

A graduação em Fisioterapia

Para se tornar um fisioterapeuta, é fundamental completar o curso de graduação em Fisioterapia. Primordialmente, os cursos são oferecidos na modalidade bacharelado. Então se a sua vontade for trilhar o caminho da fisioterapia, procure uma instituição que seja reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação).

Terminar a graduação não é a única exigência para o fisioterapeuta. Além disso, outro requisito para exercer a profissão adequadamente é o registro. Ou seja, os profissionais precisam estar inscritos e registrados no Conselho Regional de Fisioterapia (Crefito) da sua região.

Duração do Curso de Fisioterapia

A duração da Faculdade de Fisioterapia pode variar de acordo com cada instituição de ensino. Enquanto o tempo mínimo previsto em algumas é de 8 semestres, em outras é de 10 semestres. Em outras palavras, você pode se formar em 4 ou 5 anos dependendo da faculdade escolhida.

Como é o curso

O aluno que pretende ingressar na faculdade de Fisioterapia precisa entender que sua jornada terá aprendizados práticos e teóricos. Afinal, é praticamente impossível se tornar um profissional competente se não conseguir aliar conhecimentos conceituais com a prática.

Enquanto fundamentos, conceitos e princípios são ensinados, eles também precisam da transição para pacientes reais. Assim, o estudante se capacita treinando procedimentos corretos para cada situação e que sejam executados de maneira adequada e precisa.

Os conteúdos do curso de fisioterapia

De acordo com uma resolução de 2002, os conteúdos da Faculdade de Fisioterapia devem contemplar quatro áreas fundamentais. Essa resolução veio exatamente para instituir diretrizes curriculares dos cursos de fisioterapia no Brasil.

Bolsa ENEM

Você sabia que pode conseguir uma bolsa de até 60% no curso todo na Estácio com a sua nota do ENEM dos últimos 5 anos? Confira aqui o valor da sua bolsa e economize na graduação! 🎓

Segundo a própria resolução “Os conteúdos essenciais para o Curso de Graduação em Fisioterapia devem estar relacionados com todo o processo saúde-doença do cidadão, da família e da comunidade, integrado à realidade epidemiológica e profissional, proporcionando a integralidade das ações do cuidar em fisioterapia.”

Veja abaixo quais são essas quatro áreas.

Ciências Biológicas e da Saúde

Aqui entram os conteúdos relacionados à biologia em si. O corpo humano, as suas estruturas, a função de cada parte, incluindo tecidos, órgãos, sistemas e aparelhos.

Ciências Sociais e Humanas

Nessa área se estuda a integração dos aspectos psicossociais, culturais, antropológicos e até epidemiológicos. Além disso, também abordam temas referentes às políticas de saúde e, naturalmente, os princípios éticos que devem nortear o profissional.

Conhecimentos Biotecnológicos

Os conhecimentos biotecnológicos contemplam o uso adequado dos avanços disponíveis na área da fisioterapia. Tratamentos, equipamentos, inovações tecnológicas e o que mais se relacionar com a prática clínica e tecnológica da fisioterapia.

Conhecimentos Fisioterapêuticos

Os conhecimentos fisioterapêuticos ajudam a definir o profissional que alcança a excelência na execução do seu trabalho. Afinal, todos os conhecimentos anteriores não são tão relevantes se estiverem desconectados da boa prática fisioterapêutica.

Esses conhecimentos incluem as funções (e disfunções) do movimento humano e estudos de cinética na abordagem sistêmica. Em outras palavras, além da biologia do corpo humano, é preciso entender a física dos movimentos. Além disso, é necessário saber diagnosticar adequadamente e encontrar a melhor solução para a necessidade de cada paciente.

O estágio é obrigatório no Curso de Fisioterapia

Ao longo da Faculdade de Fisioterapia, os alunos inevitavelmente realizarão estágios supervisionados obrigatórios. Assim, todo aluno que conclui o curso consegue ingressar na vida profissional com alguma experiência prática.

A ideia é que os alunos devem estagiar nas mais diversas especialidades da fisioterapia. Dessa forma conseguem entender mais detalhes de cada área e tomar decisões mais bem fundamentadas a respeito do próprio futuro profissional.

Perfil de quem faz Curso de Fisioterapia

Será que você tem o perfil adequado para se tornar um bom fisioterapeuta? Apesar de não serem obrigações burocráticas, algumas características podem se mostrar fundamentais para uma jornada profissional mais agradável.

Apesar de alguns detalhes parecerem constatações óbvias, muitas pessoas ainda escolhem profissões sem levar o próprio perfil em consideração. Então aproveite para conferir se o seu perfil se encaixa na prática profissional da fisioterapia.

Trabalha com pessoas

Primeiramente, é importante lembrar que os fisioterapeutas trabalham com pessoas. Ou seja, gostar de ter esse tipo de contato e de se relacionar com outros indivíduos é praticamente um requisito da profissão.

Além disso, os pacientes costumam não estar nas melhores condições de saúde e, consequentemente, nem de humor.

Carisma, paciência e capacidade de se relacionar com pessoas são fatores que podem melhorar inclusive a qualidade de um tratamento.

Comunicação

Gostar de lidar com pessoas é uma coisa, saber se comunicar com elas é outra. Ou seja, ao mesmo tempo que parece continuação do tópico anterior, a comunicação merece, sim, um destaque extra.

A boa comunicação do fisioterapeuta tem diversas funções. Enquanto lida com pacientes, traz motivação e conselhos para a realização de exercícios, por exemplo. Mas também precisa ser realista a respeito dos diagnósticos, das condições e das expectativas de cada um.

Além disso, precisa de didática para conseguir ensinar detalhes dos movimentos, garantindo que mesmo um leigo consiga executar tudo corretamente.

Trabalho em equipe

A comunicação tem um outro aspecto para muitos fisioterapeutas. Dependendo da especialidade, os profissionais trabalham com equipes multidisciplinares. Afinal, muitos pacientes precisam de atendimentos que vão além da fisioterapia. Então não é surpresa que fisioterapeutas lidem com profissionais da medicina, enfermagem, fonoaudiologia, terapia ocupacional, entre outros.

Afinidade com o corpo humano

Para se tornar um especialista nessa área da saúde, é útil ter conhecimentos ou, pelo menos, afinidade com o corpo humano. Enquanto a física é útil para os movimentos, a química e, principalmente a biologia são fundamentais para entender o corpo.

Então se prepare para, ao desbravar os conhecimentos relacionados ao corpo humano, ter aulas de anatomia. Ou seja, você terá diversas aulas onde parte do conhecimento será adquirido estudando corpos de humanos. Em outras palavras: cadáveres.

Mas pode manter a calma. Apesar da ideia parecer nojenta ou assustadora para algumas pessoas, isso costuma mudar. Entretanto, na hora da aula, a experiência acaba acontecendo de maneira positiva. Ou seja, a maioria das pessoas não têm problemas com esse tipo de coisa.

Áreas de atuação para quem faz Curso de Fisioterapia

Assim como diversas outras profissões, a fisioterapia também oferece oportunidades em diferentes áreas de atuação.

Fisioterapia do trabalho

A demanda por esses profissionais normalmente se dá em grandes empresas e principalmente em indústrias.

Nesse ramo, o papel do fisioterapeuta é agir de forma preventiva. Ou seja, ele antecipa possíveis lesões causadas pelo esforço repetitivo ou pela postura durante o trabalho. Assim, ajuda a garantir a saúde dos colaboradores no longo prazo.

Fisioterapia intensiva

Esses fisioterapeutas têm uma rotina que, em alguns casos, pode ser emocionalmente desgastante. Afinal, o trabalho em UTIs envolve lidar com pacientes em estado crítico.

O foco desse profissional costuma ser em reabilitação após acidentes e na retomada de funções. Essas funções podem ser respiratórias, musculares e até mesmo neurológicas.

A demanda por esse tipo de profissional aumentou significativamente com a pandemia do novo Coronavírus. Isso porque muitos dos pacientes internados dependem, entre outras coisas, dos benefícios da Fisioterapia respiratória.

Fisioterapia esportiva

Trabalhar na área esportiva é uma das escolhas favoritas entre os estudantes de fisioterapia. Dessa forma, muitos profissionais se capacitam para atuar atendendo atletas, sejam eles profissionais ou não.

Ao contrário do que muita gente pensa, a escolha dessa área de atuação não se resume a atuar em clubes de futebol. Primeiramente, porque vários clubes de diversos esportes também precisam desse tipo de profissional. Além disso, empresas que oferecem musculação, aeróbica, crossfit, artes marciais e até dança também podem usufruir de um bom fisioterapeuta.

Fisioterapia em outras áreas médicas

A medicina não precisa de fisioterapeutas apenas para o trabalho intensivo. Ou seja, um fisioterapeuta pode se aliar a médicos de outras áreas para exercer sua profissão.

Por exemplo: um fisioterapeuta neurofuncional atua com pacientes que têm sequelas de danos no sistema nervoso. A atuação pode ser adaptativa, curativa, paliativa e até preventiva. Além disso, dependendo do caso, o fisioterapeuta pode fazer do diagnóstico até a execução do tratamento.

Já a fisioterapia oncológica abrange os diversos cuidados necessários para pacientes com câncer. Assim, é possível atuar na restauração, no desenvolvimento ou manutenção do funcionamento dos sistemas do paciente. O foco é prevenir, tratar e minimizar sequelas decorrentes dos tratamentos oncológicos, oferecendo a melhor qualidade de vida possível.

Apesar desses dois exemplos, existem outras áreas médicas que também podem se aliar à fisioterapia. Então se essa for a sua vontade, não deixe de pesquisar outras possibilidades.

Leitura relacionada: Como é o curso de fisioterapia? Saiba tudo o que precisa aqui.

Esperamos ter ajudado a elucidar suas dúvidas a respeito da Faculdade de Fisioterapia. Se você conhece alguém pensando em se tornar um fisioterapeuta, compartilhe este artigo!

E para mais informações sobre outros cursos e profissões, continue acompanhando o blog Vai de Bolsa!

Tags:
  • Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *