Se você tem paixão por conhecimento científico saiba que existe uma carreira que está em franco crescimento no mundo todo: o geneticista. A profissão trabalha com manipulação e modificação genética e requer mais do que um diploma. Apesar de hoje em dia ainda não existir um curso de Engenharia Genética, existem outras formações para quem tem interesse em atuar nessa área. Neste post, vamos listar quais cursos fazer para trabalhar nessa área.

Essa ciência ainda é uma ciência muito recente. Apenas em 1953 que os genes dos seres vivos passaram a ser estudados profundamente. Como ainda é um campo que possui muitas perguntas e poucas respostas, a profissão de geneticista é promissora. Com os avanços tecnológicos esse cenário tende a melhorar ainda mais.

Ainda assim, somente o diploma não é suficiente para entrar no mercado de trabalho da genética. As oportunidades de emprego ainda são limitadas, por isso se faz necessário uma especialização, mestrado ou até doutorado na área.

Por se tratar do estudo e pesquisa de seres vivos é obrigatório ser graduado em um dos cursos a seguir.

Leia mais: Quais as profissões com foco em pesquisa na área da saúde?

Cursos para ser geneticista

Biologia

Ao cursar Biologia, com duração de até quatro anos, você poderá trabalhar na área da genética. Diferente da medicina, o biólogo pode atuar no aconselhamento genético, gestão de bancos e células e material genético.

Além de desenvolver e produzir organismos geneticamente modificados, afim de alcançar um melhoramento genético de seres vivos.

Medicina

Já o médico especializado em genética pode focar suas pesquisas e estudos no desenvolvimento de tratamentos de doenças. Além de atuar na intervenção de síndromes e doenças hereditárias, determinadas por mutações genéticas e na análise de características de grupos específicos da sociedade.

A genética clínica é a área na qual os médicos geneticistas lidam com as malformações congênitas, anormalidades cromossômicas, deficiência mental, regressão neurológica, surdez na infância, perda visual grave na infância, distrofia muscular, nanismo, defeitos fetais vistos ao ultrassom, histórico familiar de câncer, entre outros.

Biomedicina

A Biomedicina é voltada para pesquisa na área da saúde humana, animal e também das plantas. Por meio de estudos, ele classifica os microrganismos responsáveis por gerar enfermidades.

Pesquisa, ainda, medicamentos e vacinas para tratamento ou prevenção de doenças.

Biotecnologia

O curso de Biotecnologia tem aproximadamente quatro anos de duração, mas o curso técnico tem menos tempo de duração. Ao se formar nessa área, o profissional pode trabalhar com técnicas de melhoramento genético, análise de genomas e cultura de tecidos.

O que é e o que faz um geneticista

O geneticista é um profissional que pesquisa e manipula a estrutura genética dos seres vivos. Seja para identificar e combater doenças e síndromes ou desenvolver remédios e técnicas na área da saúde humana, dos animais ou vegetais.

Ele é capaz de manipular genes e aplicá-la em diversas áreas, desde a medicina até a pecuária. Independente da área a ser pesquisada, os geneticistas trabalham de maneira parecida.

Utilizam-se de técnicas genéticas para preparar e analisar amostras dos genes, registram e interpretam os resultados e usam dados e estatísticas para desenvolver novas metodologias, além de ter a oportunidade de publicar o estudo em artigos científicos.

Na agricultura, por exemplo, o geneticista faz o melhoramento genético dos vegetais afim de aumentar a qualidade e evitar ataques de pragas.

Áreas de atuação profissional do geneticista

As áreas de atuação do geneticista dependem da formação acadêmica, mas em qualquer setor, o estudo e a pesquisa genética estão incluídos.

Medicina

No caso da medicina, o profissional pode atuar na área de modificação genética, pesquisas de doenças hereditárias, desenvolvimento de medicamentos e técnicas na área da saúde medicinal.

Com o desenvolvimento de novas tecnologias, o geneticista também pode atuar na área de reprodução humana e com aconselhamento genético – identificação de tendências genéticas presentes em pais e filhos. Além disso desenvolve novos remédios, através do estudo de doenças genéticas e pesquisa tratamentos por meio das células-tronco.

Pecuária

Já no setor da pecuária, é possível trabalhar no aperfeiçoamento de raças animais, a partir do melhoramento genético. Assim um rebanho pode passar a ter mais características positivas do que negativas. A consequência disso é uma produção maior e o aumento do lucro do pecuarista.

Agricultura

Na agricultura, o profissional pode atuar no desenvolvimento de alimentos geneticamente modificados. O objetivo é aumentar a qualidade dos grãos em consonância com a produção e as exigências do mercado.

Mercado de trabalho para o geneticista

O mercado de trabalho no setor da genética está em ascensão e deve continuar assim por muito tempo. O campo de atuação é amplo, sendo possível trabalhar em indústrias e universidades, como pesquisador e/ou professor.

Para quem quer atuar na área de genética humana, além das universidades, outra opção é trabalhar em laboratórios clínicos, hospitais e ONG’s.

Já em genética vegetal, é possível atuar em parques e reservas florestais, fazendo o monitoramento genético das espécies, com objetivo de conservar a vida selvagem e o bem-estar dos organismos.

Empresas agropecuárias também necessitam de geneticistas para atuar no melhoramento genético dos animais com intuito de melhorar a raça e aumentar a produção do animal.

Quanto ganha um geneticista?

O salário inicial de um geneticista varia entre R$ 11.000 e R$ 17.000, com base nos valores de 2019. Quanto mais experiente, melhor a remuneração. Um bom geneticista com mais de 5 anos de experiência profissional ganha acima de vinte mil reais por mês.

Características necessárias para ser um geneticista

Principais conhecimentos e habilidades necessárias:

  • Interesse por pesquisa;
  • Conhecimentos profundos de Genética, Química, Biologia, Medicina e Biomedicina;
  • Domínio de técnicas usadas na área;
  • Facilidade para trabalhar em equipe.

A importância do estudo da genética

A genética é a parte da Biologia que estuda a hereditariedade, ou seja, a forma como as características são repassadas de geração para geração. Esse estudo tem trazido muitos avanços em diversos campos da sociedade.

Prevenção e tratamento de doenças

Na medicina, esse conhecimento permite o desenvolvimento de tecnologias que salvam milhares de vidas. O medico geneticista tem acesso ao histórico de doenças familiar do paciente e assim, pode atuar na prevenção da enfermidade no próprio paciente.

O tratamento de doenças como o câncer evoluiu por conta do detalhamento genético. As intervenções terapêuticas podem ser definidas de acordo com o perfil genético do doente, aumento a probabilidade de o tratamento dar certo.

O uso das células-troncos é um dos maiores avanços já vistos na área da saúde e sua utilização só foi possível por conta do estudo da genética. Com isso, algumas doenças puderam ser combatidas, como:

  • Leucemias;
  • Talassemias;
  • Neuroblastoma;
  • Doenças imunes;
  • Anemias;
  • Doenças metabólicas;

Solução de crimes

A genética também permite solucionar crimes. A Genética Forense utiliza dos conhecimentos e técnicas genéticas para auxiliar a justiça. Identificar criminosos e dar fim a longos processos penais foi um dos pontos positivos da pesquisa genética no mundo.

Testes de DNA permitem o reconhecimento de identidade para testes de paternidade.

Ecologia

A pesquisa em Genética Ecológica foca nas características ecológicas como aptidão, sobrevivência e reprodução de organismos vivos. Fatores externos que afetam insetos e plantas, como tempo de floração, tolerância à seca, polimorfismo, mimetismo, prevenção de ataques por predadores podem ser modificados de acordo com a genética de cada ser vivo.

Questões epidemiológicas relacionadas ao combate de doenças transmitidas por mosquitos também tem ganhado destaque já que o estudo genéticas desses seres têm trazido avanços no combate desse tipo de epidemia.

Tem mais interesse em descobrir quais profissões você pode seguir? Confira outros posts sobre formações acadêmicas no Vai de Bolsa.