investigação forense e perícia criminal

Investigação forense e perícia criminal: entenda como atuar na área

A investigação forense e perícia criminal costuma fazer parte do roteiro de muitos filmes policiais e seriados de TV. E talvez seja daí que vem a curiosidade e o interesse de muitas pessoas sobre essa carreira profissional. Famosa por ser uma atividade interessante, desafiadora e até mesmo cheia de mistérios, a investigação forense e perícia criminal é fundamental para a coleta de pistas e para desvendar crimes, acidentes e mesmo alguns enigmas. Na prática, isso significa que para ser um investigador forense ou perito criminal você precisa de muito mais do que apenas gostar de seriados de investigação policial. É preciso ir muito além: conhecer a teoria, a técnica, a prática, além de ser muito detalhista e contar com uma ótima intuição em determinados casos. Mas você sabe qual o caminho é preciso percorrer para se tornar um investigador forense? Se é preciso ter uma formação superior? Ou se exige uma formação específica? Sabe se esse mercado de trabalho é promissor? Para descobrir essas e outras respostas, continue acompanhando o nosso artigo. Vamos ajudar você a descobrir um pouco mais sobre a investigação forense e perícia criminal e o que é preciso para atuar profissionalmente nessa área. Leia também: Profissões do futuro: a reinvenção dos cursos tradicionais

Investigação forense e perícia criminal: o que é

O investigador forense ou perito criminal é o profissional responsável por analisar e desvendar pistas deixadas em cenas de crimes, acidentes ou até mesmo em documentos. Assim sendo, esse profissional precisa estudar constantemente e desenvolver técnicas de análise e interpretação, além de contar com uma boa intuição durante alguns casos que precisará resolver. A investigação forense reúne procedimentos e métodos técnico científicos com objetivos específicos para:
  • Reunir e analisar dados e evidências;
  • Produzir provas materiais;
  • Produzir laudos capazes de ajudar no esclarecimento de crimes;
  • Apresentar e defender essas provas;
  • É importante ressaltar que o investigador criminal atua conforme requisição de autoridades competentes para inquéritos policiais e processos judiciais de natureza criminal. Ou seja, dependem da autorização de juízes, policiais, advogados, entre outras autoridades.

Como se tornar investigador forense e perito criminal

Quem quer se tornar um investigador forense e perito criminal deve optar por seguir um dos dois caminhos abaixo:
  • Fazer uma por uma graduação tecnológica;
  • Se formar em  um curso superior tradicional e fazer uma pós-graduação na área.
Conheça os detalhes sobre cada uma dessas formações e veja qual delas é a melhor opção para você:

Graduação tecnológica em investigação forense

A graduação tecnológica em investigação forense e perícia criminal tem duração média de dois anos e meio. Mas o tempo do curso pode variar conforme a instituição de ensino escolhida. Além disso, a graduação tecnológica oferece a opção de ser feita nas modalidades presencial ou ensino à distância. Durante o curso tecnológico em investigação forense o aluno tem a oportunidade de estudar:
  • Leis que regem as Ciências Forenses;
  • Elaboração de perícias, laudos e pareceres;
  • Fundamentos de Direito;
  • Criminologia;
  • Economia política;
  • Teoria geral da investigação e perícia
  • Filosofia do Direito;
  • Psicologia judiciária;
  • Linguagem jurídica;
  • Investigação de crimes patrimoniais;
  • Direitos humanos;
  • Interceptação telefônica e fonética;
  • Odontologia Forense;
  • Medicina Legal;
  • Balística;
  • Perícias Laboratoriais;
  • Ética, entre outras disciplinas.
A graduação tecnológica em investigação forense e perícia criminal é também reconhecida por outras nomenclaturas, podendo ser chamada de Perícia:
  • Forense;
  • Criminal e Biologia Forense;
  • Criminal e Ciências Forenses;
  • e Genética Forense.

Pós-Graduação em investigação forense

A pós-graduação em investigação forense capacita profissionais com determinados cursos superiores a atuar na área de criminologia forense. Mas para isso, o ideal é que o candidato tenha a formação em um dos cursos superiores abaixo: Com duração de aproximadamente um ano e meio, o curso de pós-graduação em investigação forense pode ser feito nas modalidades presencial, semipresencial ou à distância. Durante o curso de  pós-graduação o aluno tem contato com as disciplinas de:
  • Direito Penal Aplicado;
  • Odontologia Forense;
  • Criminalística;
  • Medicina Legal;
  • Balística Forense;
  • Perícias Laboratoriais;
  • Análise de Documentos;
  • Perícias de Engenharia Forense, entre outras.

Como atuar como investigador forense e perito criminal

Para se tornar um profissional da área de investigação forense e perícia criminal, o aluno recém-habilitado – seja no curso tecnológico, seja na pós-graduação – deverá prestar concurso público. Assim que aprovado neste concurso, o futuro investigador deve fazer o curso de formação técnico-pericial em uma Academia de Polícia da região onde foi aprovado. Dessa maneira, ao finalizar a formação, esse profissional passa a trabalhar nos Institutos Criminais de seu Estado de atuação. No dia a dia, o investigador forense atua em diversas ocorrências: acidentes de trânsito com vítimas, roubos, homicídios, análise de documentos, acidentes de trabalhos, entre outros. Segundo levantamento da Associação Nacional de Peritos Criminais Federais (APCF), o profissional concursado em investigação forense pode atuar nas seguintes áreas:
  • Perícia Contábil e Financeira;
  • Perícias Documentoscópicas;
  • Perícias em Locais de Crime;
  • Perícias em Bombas e Explosivos;
  • Perícias em Balística;
  • Perícias em Informática;
  • Perícias em Audiovisual e Eletrônicos;
  • Perícias em Genética Forense;
  • Perícias de Veículos;
  • Perícias de Medicina e Odontologia Forense;
  • Perícias de Engenharia;
  • Perícias de Química Forense;
  • Perícias de Meio Ambiente;
  • Perícias sobre o Patrimônio Cultural.
É importante lembrar que, além da formação técnica e aprovação em concurso público, é exigido do investigador forense muita atenção e foco mesmo nos pequenos detalhes.

Como é o salário de um investigador forense e perito criminal

A demanda por profissionais de investigação forense cresce em todas as regiões do Brasil. E isso, infelizmente, acaba, muitas vezes, sendo o resultado do aumento da criminalidade. Ao mesmo tempo, os concursos para investigador forense ainda são poucos. Sendo assim, a área é extremamente competitiva e a qualificação profissional é o grande diferencial. A média salarial de um investigador forense depende diretamente de suas escolhas de carreira: se seguirá no serviço público ou em empresas privadas. Dessa forma, os investigadores forenses concursados na área de Criminalística Federal possuem os melhores salários, que podem chegar a R$ 11 mil. Já na esfera privada, o salário inicial é, em média, de R$ 2 mil. A remuneração tende a aumentar conforme a experiência e também de acordo com a empresa contratante.

Investigação forense e perícia criminal na Estácio

Uma das melhores opções para quem deseja fazer uma graduação tecnológica em investigação forense e perícia criminal é se inscrever na Universidade Estácio. A instituição de ensino oferece o curso com duração de 2 anos e meio, que tem como principal diferencial as trilhas de conhecimento. Neste caso, o aluno pode realizar os cursos de investigação forense e perícia criminal e também o curso de direito. Dessa forma, ele consegue concluir as três graduações em 6 anos e meio.

Você está pronto para se tornar um investigador ou perito?

Se você está pronto para encarar investigações criminais muito além de séries de TV como Criminal Minds, CSI e True Detective , é melhor começar a estudar desde já! É claro que vale a pena assistir a séries e filmes para ver uma parte do trabalho desse profissional e até mesmo para se inspirar, mas nada como a realidade. Por isso, não perca mais tempo e se prepare! Afinal de contas, o mercado na investigação forense e perícia criminal é concorrido, e se sobressaem aqueles que realmente possuem uma melhor formação profissional e objetivos definidos de carreira. E uma boa notícia! Se você  deseja ter uma formação de investigador forense pode contar também com o auxílio de bolsas de estudo. Por isso, fique atento a ofertas de bolsas de estudo para graduação e também para pós-graduação. Na Universidade Estácio, alunos do curso de investigação forense e perícia criminal têm a chance de ganhar bolsas de estudos que variam de 50% a 100% do curso. Gostou? Então garanta agora mesmo a sua vaga e fique a um passo de se tornar um profissional desta área. E não se esqueça: continue se mantendo informado sobre cursos, disciplinas, mercado de trabalho e bolsas de estudos no blog do Vai de Bolsa!
Tags:
  • Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *