Mesmo com tantas discussões sobre os direitos das mulheres e o reconhecimento delas no mercado de trabalho, muitos feitos femininos ainda são conhecidos. Até mesmo em áreas dominadas por elas, como é o caso da educação. Saiba que temos muitos exemplos de mulheres que mudaram a educação no mundo. Podemos citar algumas como Anália Franco, Antonieta de Barros, Maria Montessori. Esse assunto rende um post e é justamente essa nossa proposta.

Você sabia que de acordo com o Inep, do Ministério da Educação (MEC), 80% dos 2,2 milhões de docentes da educação básica brasileira são do sexo feminino? Como você pode ver, os índices de qualidade das nossas escolas dependem delas.

Só que, infelizmente, quando se fala nos principais pensadores da área, os homens são os mais lembrados. Nomes como Paulo Freire, Jean Piaget e Lev Vygotsky são sempre citados. Enquanto mulheres que contribuíram tanto quanto eles podem acabar esquecidas. 

Mas para lembrar desses ícones da pedagogia, fizemos uma lista com as 10 mulheres que mudaram a educação no mundo. Continue lendo e conheça histórias incríveis!

10 mulheres que mudaram a educação no mundo

Anália Franco

Anália Franco Bastos (1853 -1919), mais conhecida por seu nome de solteira, foi uma professora, jornalista e escritora brasileira que merece estar na lista das mulheres que mudaram a educação no mundo. Nascida no Rio de Janeiro, ela viveu boa parte da vida em São Paulo, onde fundou mais de 70 escolas. 

Além do trabalho pela educação, Anália também se dedicou a causas sociais. Ela ficou conhecida por seus posicionamentos abolicionistas, assim como seus esforços para unir crianças brancas e negras nas mesmas salas de aula.

Anne Sullivan

Anne Sullivan (1866-1936) foi uma professora estadunidense que ficou famosa no mundo todo por ajudar uma jovem surda e cega a se comunicar utilizando linguagem de sinais. Também é uma das mulheres que mudaram a educação no mundo.

Sob a sua supervisão, Helen Keller aprendeu inglês, francês e alemão, além de braille. Anos depois, a história das duas ficou eternizada no filme O Milagre de Anne Sullivan. Assista e conheça mais sobre essa jornada emocionante!

Antonieta de Barros

Primeira negra a assumir um mandato popular, Antonieta de Barros (1901 – 1952) foi uma política, professora e jornalista catarinense. 

Pioneira no combate à discriminação de mulheres e pessoas negras, foi deputada estadual e suplente. Escreveu inúmeras crônicas defendendo o direito universal à educação e militou por isso também na Assembleia Legislativa do Estado.

Também criou o Curso Particular Antonieta de Barros, voltado para alfabetização da população carente e dirigido por ela até sua morte, em 1952. Foi diretora do Instituto Estadual de Educação, professora de português e literatura e hoje dá nome a diversos monumentos em Santa Catarina e em todo o país!

Sem dúvida, Antonieta de Barros foi uma das mulheres que mudaram a educação no mundo.

Bertha Lutz

Bióloga e ativista pelos direitos das mulheres, Bertha Lutz (1894 – 1976) foi outra brasileira que ajudou a mudar a educação no mundo. 

Ela foi a segunda mulher a se tornar servidora pública no país e criou a União Universitária Feminina, uma organização que buscava incentivar as mulheres a cursarem o ensino superior. No interior, contribuiu com a organização de escolas de economia doméstica rural para a população feminina do campo. 

Também ajudou na fundação da Associação Brasileira de Educação, entre outros feitos incríveis para uma mulher da sua época!

Dorina Nowill

Educadora de formação, a brasileira Dorina Nowill (1919-2009) perdeu a visão aos 17 anos, após uma infecção ocular. Mesmo sem nenhum auxílio, ela concluiu o magistério e se especializou na educação de pessoas com deficiência visual, na Universidade de Columbia, em Nova York. 

Durante toda a vida, Dorina militou pelos direitos das pessoas cegas, instalou a primeira editora em braille do país e fundou o Departamento de Educação Especial para Cegos, na Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Na mesma época, também dirigiu o primeiro órgão federal de educação para cegos no Ministério da Educação, assim como trabalhou para implementar programas de ensino para pessoas com deficiência em diversos estados. 

Emília Ferreiro

Argentina radicada no México, Emília Ferreiro (1937) é uma das pesquisadoras mais influentes na pedagogia recentemente. Ela fez doutorado na França, com Piaget, e contribuiu para expandir seus estudos e aposentar antigos métodos de alfabetização. 

Segundo Ferreiro, toda criança passa por etapas na aprendizagem, compostas por avanços e recuos. Ela também foi pioneira ao mostrar que os pequenos são ativos nesse processo, construindo seu próprio caminho individual. Isso revolucionou as metodologias de ensino e influenciou Parâmetros Curriculares Nacionais no Brasil, na década de 90. 

Francesca Bonnemaison Farriols

Nascida na Espanha, Francesca Bonnemaison i Farriols (1872 – 1949) foi uma educadora e ativista na Catalunha. 

Criadora da primeira biblioteca exclusivamente feminina do mundo, Francesca buscava oferecer educação para mulheres da classe trabalhadora, que não tinham acesso às escolas e à literatura na época. 

Malala Yousafzai

Se você costuma ler jornais, deve saber de quem estamos falando. Malala Yousafzai (1997) foi a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz, por seus esforços pela educação feminina em seu país, o Paquistão.

Em 2012, ela foi vítima de um atentado grave, após denunciar em um blog a proibição do talibã de que meninas frequentassem a escola. Internada em estado grave, a menina continuou sendo ameaçada e teve que deixar o país. Hoje, ela continua seu ativismo pelo direito à educação em todo o mundo. 

Maria Montessori

Maria Montessori (1870 – 1952) foi a primeira mulher a concluir o curso de medicina na Itália, mas não pode exercer a profissão. Passou então a ensinar para crianças com deficiência e desenvolveu o método Montessori, utilizado em várias escolas no Brasil e no mundo.

Baseado na autoeducação, essa técnica busca garantir autonomia para que a criança aprenda no seu ritmo e de acordo com seus interesses. E ela é utilizada até hoje em escolas e famílias por todo o mundo!

Marie Curie

Muita gente se lembra da cientista polonesa Marie Curie por causa de suas descobertas relacionadas com a radioatividade e seus Prêmios Nobel. 

Mas a verdade é que, além de pesquisadora, Curie também foi uma das mulheres que mudaram a educação no mundo. Ela foi professora desde os 18 anos e chegou, inclusive, a dar aula em uma instituição perseguida pelo Império Russo. Cujo maior público eram mulheres que não podiam estudar. 

Luta contra as barreiras

Todas essas mulheres incríveis deixaram uma marca por onde passaram, além de abrirem caminhos para muitas que vieram depois. Graças a elas e tantas outras anônimas, as mulheres são hoje maioria nos cursos de ensino superior. Assim como na docência. 

Ainda existem barreiras, é claro. Mas assim como essas pioneiras, muitas outras ativistas hoje seguem lutando pelo acesso de todos à educação!

Gostou de conhecer as histórias?

Gostou de conhecer as histórias de mulheres que mudaram a educação no mundo? Então leia também nosso artigo sobre cinco mulheres que marcaram a ciência!

Além disso, compartilhe este texto nas suas redes sociais! Com certeza muitas meninas vão se inspirar com essas mulheres inspiradoras.

Confira mais informações sobre cursos, capacitações, mercado de trabalho e dicas no blog Vai de Bolsa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui