Ciente de que a taxa de emprego aumenta 38% para jovens com formação profissional e tecnológica, o Ministério da Educação (MEC) lançou no mês de outubro o programa Novos Caminhos.

A meta do programa é aumentar em 80% o número de matrículas em cursos técnicos e de qualificação profissional, subindo de 1,9 milhão para 3,4 milhões até 2023.

Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o programa tem o intuito de quebrar preconceitos no país contra as funções técnicas. “A Europa tem quase 50% dos jovens fazendo ensino técnico. O país mais rico da América do Sul, o Chile, tem 30% de ensino técnico. E quanto o Brasil tem 8%”, comparou.

Com o programa Novos Caminhos, a perspectiva é que jovens, com formação profissional e tecnológica, tenham um aumento na taxa de emprego em 38% e a sua renda seja até 20% maior.

“Um curso técnico bom permite ao jovem ter renda superior a alguém formado em curso superior, que não tem foco na realidade”, destacou Weintraub.

Conheça o programa Novos Caminhos

Na prática, o objetivo do Novos Caminhos é fazer com que os jovens terminem o ensino médio já com uma profissão. Para tanto, os novos cursos terão enfoque nas demandas do mercado e nas profissões do futuro.

O programa é dividido em três eixos: Gestão e Resultados, Articulação e Fortalecimento, e Inovação e Empreendedorismo, conforme detalhamos abaixo.

Você também pode conhecer as principais estratégias de cada eixo clicando aqui.

Gestão e Resultados

  • Atualização do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos

Está prevista a atualização do catálogo de cursos da educação profissional e tecnológica para facilitar a inclusão de novos cursos e adequação às novas tendências e demandas do mercado.

  • Nova regulamentação da oferta de curso técnicos por Instituições Privadas de Ensino Superior (Ipes)

Está previsto o marco regulatório para a oferta de cursos da rede privada de Ensino Superior com novas regras e segurança jurídica.

  • Regularização de diplomas emitidos pelas Ipes a partir de 2016

Está previsto o reconhecimento de diplomas de mais de 11 mil pessoas que concluíram a formação técnica na rede privada de ensino superior desde 2016, mas que não tinham a chancela do MEC por falta de ordenamento jurídico.

tim-controle-banner

Articulação e Fortalecimento

  • Formação de Professores e demais Profissionais da Educação Profissional e Tecnológica

A estratégia tem como meta preparar 40 mil docentes da rede pública até 2022. Os profissionais terão aulas sobre atualização tecnológica (indústria 4.0), técnicas pedagógicas voltadas para a educação profissional, empreendedorismo e orientação profissional e vocacional.

Está prevista também a abertura de cerca de 21 mil vagas para a formação de professores de ciências e de matemática. Além da oferta de cerca de 2 mil vagas de mestrado profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) em redes estaduais até 2022.

  • Fomento à Formação Técnica e Profissional para Jovens e Adulto

Estão previstas a abertura de mais de 100 mil vagas voltadas para a qualificação profissional de jovens e adultos. A iniciativa será possível com a repactuação de R$ 600 milhões que estão disponíveis nas contas do estados devido a Bolsa-Formação, criada pela Lei nº 12.513/2011.

Inovação e Empreendedorismo

  • Ampliação dos Polos de Inovação em Parceria com a Embrapii

Os Polos de Inovação vinculados à Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) representam uma articulação entre a academia e o mercado. Com a implantação dos Polos, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica ampliou o número de seus laboratórios de pesquisa focados no setor produtivo, promovendo maior aproximação entre educação e mundo do trabalho.

Atualmente, a rede federal já conta com nove Polos de Inovação credenciados, que operam conforme o potencial econômico de cada região e já estão previsto novos editais para o credenciamento cinco novas unidades dos Polos de Inovação nos Institutos Federais.

  • Escritório de Inovação e Empreendedorismo para a Educação Profissional e Tecnológica

Está prevista a implantação de um núcleo técnico que irá apoiar iniciativas relacionadas às temáticas de inovação e empreendedorismo na Educação Profissional e Tecnológica. A criação do núcleo ficou de responsabilidade da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec).

O Escritório de Inovação e Empreendedorismo na Educação Profissional e Tecnológica irá promover projetos de empreendedorismo e inovação através da seleção e do acompanhamento da execução de diversos projetos.

Inicialmente, o escritório deverá atender a rede federal, visando uma maior aproximação com o setor produtivo.

O MEC contribuirá com o aporte de R$ 15 milhões em 2019, totalizando R$ 45 milhões até 2022. Estes recursos serão destinados para o apoio a projetos de inovação e empreendedorismo.

  • Projetos de Iniciação Tecnológica

Visando estimular estudantes do ensino técnico a desenvolver habilidades relacionadas às novas tecnologias para o setor produtivo, está previsto o lançamento de editais no montante de R$ 5 milhões para apoio a projetos de iniciação tecnológica nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.

Público-alvo

De acordo com o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Ariosto Antunes, o principal público-alvo do programa Novos Caminhos são jovens que não trabalham nem estudam. O que representa 11,1 milhões das 48,5 milhões de pessoas de 15 a 29 anos do país, ou seja, 23%.

“A educação tem que estar voltada para o mercado de trabalho, não pode dar as costas e ignorar as demandas do setor produtivo”, destacou Antunes.

Confira todos os detalhes do Novos Caminhos acessando o portal do programa, basta clicar aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui