Ingressar em um curso de Direito pode ser a garantia de trabalhar em uma área abrangente no futuro. Mas uma coisa interessante é que para trabalhar no poder judiciário nem sempre é necessário ter um diploma de ensino superior. Ou ainda ter certificado nessa graduação, especificamente. Para isso, basta ficar de olho nos editais dos concursos que estão disponíveis para essa área.

Dentro do poder judiciário, você poderá encontrar vagas em concursos tanto para nível médio quanto superior e que não precisam necessariamente de uma formação em Direito. Embora essas vagas sejam mais restritas, elas podem ser uma excelente opção de você ingressar no serviço público. O que significa ter a garantia de estabilidade e uma boa remuneração.

Veja a seguir como chegar no chegar no poder judiciário com ou sem formação específica em Direito. Confira também as vantagens de trabalhar nessa área e saiba se um concurso público pode ser uma boa opção de carreira. Se você optar por cursar graduação em Direito, o primeiro passo é procurar o curso em instituições de ensino de qualidade, como Estácio e FMU.

Leia também:  E-book grátis ensina como fazer uma transição de carreira. Baixe agora!

Como chegar no poder judiciário

O primeiro passo para isso é ser aprovado em um concurso público dentro dessa área. Além de ser uma carreira bastante promissora por diversos motivos, saiba que é preciso suar a camisa para ser aprovado. Afinal de contas, concursos para os tribunais são muito concorridos e exigem uma rotina de estudos eficaz.

Portanto, como em qualquer escolha na vida, é preciso fazer alguns sacrifícios para buscar os melhores resultados na prova para obter a tão sonhada vaga.

Embora alguns concursos não exijam diploma de direito para poder participar do processo seletivo, conhecer sobre o campo jurídico é praticamente uma obrigação para fazer a prova. Esse conhecimento prévio pode sr uma vantagem na hora que você for fazer a prova.

Portanto, estudar sobre a área jurídica é um quesito fundamental para ir bem na prova e assim conhecer previamente sobre a teoria que fundamenta o seu futuro trabalho.

Onde estudar

Embora alguns cargos dentro do poder judiciário não exijam curso superior, saiba que boa parte dos candidatos têm algum diploma. Portanto, isso pode pesar na hora da prova. Sendo assim, você pode prestar prova para algum concurso para essa área um ensino superior de qualidade pode te ajudar na hora da prova.

Se você é da região de São Paulo, você pode se matricular em algum curso da instituição de ensino FMU. Nesse centro universitário você poderá contar com professores atuantes no mercado de trabalho e isso pode fazer grande diferença para a sua formação.

Além dessa instituição, você pode contar com a Estácio, que tem cursos em todo o Brasil nas modalidades presencial e a distância. A grande vantagem de estudar nessa universidade é que você pode encontrar essa universidade em diversas regiões do país.

Além disso, ela oferece cursos presenciais ou a distância, o que pode ser uma opção interessante de acordo com a sua rotina.

Quais são os cargos para nível médio e superior no poder judiciário?

Se você ainda não possui um diploma de ensino superior, você poderá concorrer a uma vaga para o cargo técnico de assistente ou auxiliar judiciário. Por outro lado, se você possui algum diploma que não seja da área jurídica, é possível participar do processo seletivo de analista judiciário, que trabalha especificamente na parte administrativa dos tribunais.

Mas se você possui um diploma de bacharel em direito, podes prestar concursos para magistratura ou juiz substituto, por exemplo. Veja a seguir com mais detalhes as atribuições de algumas funções.

O que faz um técnico judiciário?

A tarefa desse profissional consiste em dar apoio às áreas do poder judiciário. No seu dia a dia de trabalho, ele deve desempenhar diversas funções de cunho administrativo ou em alguma área específica técnica, que esteja dentro das suias atribuições.

Um técnico judiciário é responsável por redigir documentos judiciais e administrativos e até mesmo prestar atendimento ao público. Para concorrer a essa vaga é necessário ter concluído o ensino médio ou técnico.

É importante ressaltar que alguns concursos são regionais e pode ser que exijam alguma formação técnica na área administrativa. Além disso, o salário médio dessa profissão pode ser de R$ 4.000,00, lembrando também que esse valor pode alterar de acordo com a região.

Portanto, essa pode ser uma boa remuneração para um concurso que não exige diploma de ensino superior.

O que faz um analista judiciário?

Esse profissional presta especificamente uma assessoria jurídica. Esse profissional realiza atividades que variam de acordo com o cargo, podendo ser de assessoria administrativa ou jurídica.

No caso da assessoria jurídica, ele presta serviço de cunho administrativo, como recursos humanos, atendimento ao público, etc. Porém, se a ocupação do cargo for de natureza jurídica, o analista será um assessor direto do juiz. É ele que coordena pareceres, certidões e redige documentos que são específicos da supervisão técnica.

Vale lembrar que para ocupar esse cargo, é necessário ter diploma de curso superior de qualquer área. Como esse é um cargo que realiza funções técnicas de diversas ordens, é importante você dar uma olhada no edital para ver quais são os conhecimentos prévios necessários para ir bem na prova.

Outro grande atrativo desse cargo é a remuneração, que é em torno de R$ 6.000,00, lembrando também que a faixa salarial pode alterar de acordo com a região.

Como funciona a magistratura

Esse é o cargo mais alto dentro do poder judiciário. Em consequência disso, é também o mais cobiçado para quem deseja fazer concurso para essa área. Para ser um juiz, é necessário ter o diploma de bacharel em direito e acumular três anos de experiência dentro da carreira jurídica.

Após cumprir esses requisitos, é necessário prestar concurso público. O processo seletivo para esse cargo consiste em três etapas: prova, objetiva, dissertativa e oral. Após vencer essas etapas, o candidato a magistratura deve comprovar os títulos que possui.

Vale lembrar que esse é um quesito que pode excluir do processo seletivo. Portanto, é um processo longo do bacharelado até a aprovação na prova e é fundamental ter bastante foco e determinação para vencer a concorrência.

Juiz federal ou estadual

A carreira de juiz pode ser estadual ou federal. O juiz federal é o responsável por julgar questões que a União esteja interessada, que são também de interessa das autarquias federais, bem como as empresas públicas federais.

O juiz estadual é conhecido também como o juiz de direito. Ele atua na justiça comum estadual e é o responsável por julgar conflitos de pessoas físicas ou empresas e poder público abaixo da esfera federal.

O início de carreira do magistrado começa como juiz substituto. Esse início de carreira é como se fosse uma espécie de estágio probatório. Posteriormente, o magistrado se torna um juiz titular.

Além de ser uma carreira bastante promissora, um juiz titular goza de uma série de benefícios e auxílios.  Além de uma excelente remuneração que fica em torno de R$ 28.947.

Conclusão

Agora você sabe mais sobre algumas opções de concursos dentro do poder judiciário. Certamente já é possível visualizar um concurso público nessa área como opção de carreira. Para isso é fundamental se dedicar aos estudos e montar uma rotina eficiente e ter bastante determinação.

Isso é fundamental para aprender a lidar com a concorrência acirrada que concursos da área jurídica costumam ter.

Se você gostou desse assunto e deseja saber mais sobre educação, mercado de trabalho ou curiosidades, não deixe de acessar o blog Vai de Bolsa. Nele, você encontrará diversas informações relevantes para a sua vida profissional ou pessoal.