O ensino do século XXI certamente é marcado pela revolução educacional. Tudo isso graças ao avanço tecnológico e a era digital, que transforma a sociedade de forma muito rápida. Isso exige se adequar para não ficar defasado em relação a tecnologia. Portanto, ela deve ocorrer simultaneamente com o ensino, e não concorrer. Diante desse fenômeno, a educação acaba passando por uma reestruturação e é preciso encontrar novas maneiras e técnicas para que o ensino seja mais eficiente e atrativo.

Além das dificuldades habituais que o professor se depara no sistema de ensino, ele é obrigado a se reinventar para que suas aulas sejam atrativas. Muito por causa das distrações que a tecnologia acaba causando aos alunos. Uma boa estratégia que os profissionais da educação acabam encontrando é investir em uma formação continuada.

Embora a tecnologia seja muito influente em provocar a revolução educacional, é importante ressaltar que o maior avanço ou evolução que os educadores deve dar é na maneira que se ensina. Instituições de ensino de qualidade, como Estácio, FMU e IBMR, por exemplo, já estão atentas a essa necessidade.

Aquele modelo antigo de educação, em que o professor ocupa o centro do palco e é detentor de todo o conhecimento é ultrapassado. Pois, nos tempos atuais, os alunos ganharam mais voz e o método de ensino deixou de ser tão vertical, mas sim horizontal.

Acompanhe mais detalhes sobre essa revolução educacional nesse post!

Leia também: Série profissões do futuro: inovação e tecnologia

Como funciona a revolução educacional?

A revolução educacional busca preencher algumas lacunas que o modelo de educação tradicional e conservador não resolve. Desse modo, ela passa por um processo de reestruturação, tornando-se mais humanizadora, mais aberta e que valoriza a diversidade. Modelo muito diferente do método tradicional e conservador, que prepara o aluno apenas para a concluir as etapas do ensino regular como modo de produção.

O efeito desejado é que ela prepare o aluno a ser autônomo e que faça sentido na sua vida, e também consiga vencer as adversidades que virão em um futuro inescapável. Portanto, um molde bastante diferente dos métodos atuais. Com base nessa virada que o ensino vem sofrendo, é fundamental surgir novas perguntas. O que ensinar? Como deve ser ensinado? Como as instituições de ensinos funcionarão e serão financiadas?

Afinal de contas, essa revolução educacional é fundamental para o avanço do ensino, que vem ficando defasado a cada ano. Passando a não ser algo muito motivador e transformador para a vida dos alunos.

E muito menos acompanhando a realidade moderna. Quando se fala em revolução, é importante saber que isso implica em novos rumos e mudanças relevantes na forma de ensinar e o quê ensinar.

Em sintonia com os alunos

Portanto, a educação deve ser uma ferramenta que forneça instrumentos condizentes com a realidade dos alunos. Que ele se sinta inspirado por ela fora dos muros da escola, não apenas para o momento em que esteja estudando. E para fazer essa revolução educacional, é fundamental ter diversidade curricular e a democratização da escola.

Além disso, é interessante perceber que, conforme a sociedade muda, os postos de trabalho também. Pois nos tempos atuais, uma grande variedade de outras formas de emprego e de trabalho surgiram com os avanços tecnológicos.

E a educação deve acompanhar essas transformações, para que o aluno consiga conectar a realidade do mercado com a educação e o método de ensino ao qual está inserido.

Por que é necessário uma revolução educacional?

O ensino deve sofrer uma revolução para conseguir dar conta do avanço que a sociedade sofre. Tudo muda ao longo do tempo, comportamento, tecnologia, trabalho, centros urbanos e rurais, por exemplo. Diante dessa realidade é necessário que o ensino também evolua e sofra transformações para uma educação de mais qualidade e acessível a todos.

Além dessas questões, a tecnologia também deve ser uma ferramenta que o professor deve lidar. Como por exemplo, ensinar aos alunos o conceito de fake news e desenvolver o pensamento crítico acerca das questões que são prejudiciais e que circulam na realidade de cada um. Esses aparelhos acabam tomando um tempo precioso do indivíduo, ao invés de saber pesquisar coisas relevantes para sua vida e formação estudantil.

Portanto, a educação deve saber lidar com essas questões, que acabam prejudicando o pensamento e o conhecimento profundo das coisas. A partir de tanto acesso a um número imenso de informações, acaba surgindo a necessidade de saber filtrar os conteúdos.

Resumidamente, a revolução educacional é muito importe para resolver essas questões. E que o ensino evolua de maneira que não concorra com a tecnologia, mas que coopere com ela.

Onde estudar de forma revolucionária?

Algumas instituições de ensino já estão antenadas à revolução educacional. Se você é da região de São Paulo, é possível estudar presencialmente no Centro Universitário FMU. Nessa universidade, você tem a vantagem de utilizar a sua nota do Enem para ingresso.

Além disso, é possível obter uma bolsa de até 100% dependendo da sua pontuação. Não deixe de acessar o portal da instituição e conferir se tem um curso que esteja dentro do seu perfil.

Um outra forma interessante que vem revolucionando o ensino é a possibilidade de estudar e fazer uma graduação à distância. Uma ótima graduação para você obter o tão sonhado diploma do ensino superior é a Estácio. Nela, você encontrará um corpo docente que permitirá você desenvolver os estudos e se preparar para o mercado de trabalho de forma sólida.

É importante lembrar que a forma de ingresso na Estácio também pode ser através da nota do Enem. Dependendo da sua pontuação, é possível obter uma bolsa de estudo de até até 100%.

Além disso, essa instituição oferece também pós-graduação em diversas áreas e essa pode ser uma forma de você investir na formação continuada e se tornar um profissional mais qualificado e diferenciado.

Conclusão

É fundamental perceber que a educação deve avançar na mesma medida em que a sociedade. Isso permite que novos métodos sejam desenvolvidos e que o meio educacional seja mais eficiente e que tenha reflexo positivo na vida dos alunos.

Portanto, a revolução educacional é algo que aproxima o aluno do professor e que o professor também seja avaliado sobre seus métodos de ensino, podendo refletir sobre suas práticas e aprimorar ainda mais a didática.

O professor atua como uma espécie de mediador, permitindo que os alunos tenham uma abrangência maior sobre as disciplinas. Isso permite que no futuro, os alunos busquem por conta própria soluções para os problemas cotidianos e tenham uma escolha mais assertiva em suas carreiras profissionais.

Além disso, um currículo escolar mais amplo permite que os alunos tenham novas perspectivas sobre caminho em potencial, além de ter um desenvolvimento maior. Países como a Finlândia, por exemplo, revolucionaram seus sistemas educacionais e, por conta disso, ocupam um lugar de destaque como um dos países com o melhor sistema de ensino, que serve de modelo a outros países.

Aprendeu o que é revolução educacional?

Em resumo, a revolução educacional é um caminho sem volta para instituições de ensino. Além de professores e dos próprios estudantes.

Se você gostou desse assunto e se interessa por educação, mercado de trabalho, não deixe de acessar o blog Vai de Bolsa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui