Quem dá aula para a educação básica já percebeu: cada vez mais, os pequenos crescem imersos em uma cultura digital. Mas esse contato próximo com a tecnologia não é exclusividade das crianças. A maioria dos jovens de hoje em dia já cresceu conectado à internet, porém, encarou muita resistência dos professores a adotarem tecnologias de ensino em sala de aula. Agora, eles estão na universidade e, muitas vezes, têm dificuldade de se concentrar as aulas. No entanto, há maneira de implementar tecnologias de ensino nas universidades.

É possível detectar problemas quando a faculdade não acompanha a forma de aprendizagem moderna e se recusa a adotar novos recursos para fisgar a atenção dos alunos. O problema, nesses casos, é que a dinâmica dentro e fora da aula não dialoga. Enquanto no dia a dia os estudantes estão acostumados a conseguir todo tipo de formato de conteúdo e pesquisar suas dúvidas, a sala é engessada e continua seguindo o formato tradicional. Ao mesmo tempo, hoje é possível aprender inglês em apps, por exemplo.

Ou seja, fica quase impossível para o aluno se interessar pelos conteúdos, já que a forma de ensino é tão diferente do que está acostumado. Por isso, no artigo de hoje nós vamos mostrar como implementar as tecnologias de ensino na universidade e atrair cada vez mais a atenção dos estudantes.

Continue lendo e entenda!

Leia também: Vestibular 2020: veja no nosso e-book o que revisar antes da prova

Tecnologias de ensino na educação básica

Antes de qualquer coisa, é importante dizer que muitos professores já estão aproveitando as vantagens da tecnologia na escola 3.0. Isso acontece bastante na educação básica e tem ajudado a formar crianças e adolescentes mais conscientes das possibilidades e limitações da internet e outras ferramentas. 

O uso de aplicativos para gamificar as aulas, por exemplo, tem se tornado cada vez mais comum. Assim como o uso de recursos audiovisuais em sala, grupos do WhatsApp da turma e exercícios personalizados de acordo com o aprendizado do aluno. 

Em plataformas como o Google Sala de Aula e a Escola Digital, professores conseguem se capacitar para utilizar essas ferramentas e encontram instrumentos para melhorar as aulas e a aprendizagem. 

Tecnologias de ensino na universidade

Da mesma forma, o ensino superior tem tentado se adaptar às novidades na área da educação. Apesar de uma certa resistência, principalmente entre professores mais tradicionais, iniciativas inovadoras já começam a transformar a educação universitária no país!

Continue lendo e entenda as vantagens, desafios e possibilidades dessa nova forma de ensinar e aprender.

Possibilidades

Antes de mais nada, vale falar sobre algumas experiências que já estão sendo aplicadas em muitas universidades pelo país e pelo mundo.

E, hoje em dia, é praticamente impossível falar em tecnologias de ensino sem citar a educação à distância. Considerada uma das principais inovações na área, ela tem ajudado a democratizar o acesso ao ensino superior, oferecendo uma oportunidade de graduação para quem mora longe dos centros urbanos ou não tem tempo para cursar uma faculdade tradicional. 

Além disso, técnicas como o ensino híbrido contribuem para aulas mais dinâmicas e flexíveis e são oportunidades de mesclar o ensino presencial com o EAD. 

Por fim, existem ainda outras práticas interessantes que têm sido incorporadas à rotina da sala de aula. Por exemplo:

  • plataformas com exercícios extras e material para consulta;
  • entrega de trabalhos pela internet;
  • aplicativos de apoio às aulas, para serem acessados pelo celular;
  • redes sociais como espaço de debate sobre o conteúdo;
  • ebooks e newsletters.

Além de várias outras ferramentas que ainda não são tão comuns, mas possuem potencial para contribuir muito com a formação nas faculdades, como a realidade virtual e a inteligência artificial.

A primeira, contribui para que os alunos consigam visualizar de perto coisas que não conseguiriam testemunhar pessoalmente. Já a segunda, ajuda na correção de exercícios, pode tirar dúvidas em casa e ainda ajudar em pesquisas complexas. 

Vantagens

Tudo isso traz inúmeras vantagens. Afinal, incorporar tecnologias de ensino no cotidiano da universidade pode ter um impacto transformador na rotina de professores e alunos. 

Para os estudantes, fica mais fácil recuperar o conteúdo de aulas, perdidas, fazer atividades extras no caso de maior dificuldade em determinada matéria, além da facilidade de preencher créditos complementares com disciplinas EAD. 

Também melhora a dinamicidade das aulas e a atenção ao que está sendo passado, já que essa modernização pode ser uma aliada para quebrar com a rotina maçante de algumas aulas tradicionais. 

Já entre os professores, a tecnologia pode agilizar a correção de testes (quando eles são aplicados online, por exemplo), além de contribuir para uma turma mais engajada e interessada. 

Desafios na implementação

A implementação das tecnologias de ensino, porém, pode ser um obstáculo para muitas universidades. Não podemos esquecer que os professores precisam de treinamento e as plataformas utilizadas dependem de infraestrutura. 

Em primeiro lugar, é importante que todos os estudantes tenham acesso a laboratórios de informática para acessarem os conteúdos digitais. Afinal, ainda vivemos em um país com uma imensa desigualdade e muita gente não tem acesso a computadores com internet em casa. 

Da mesma forma, o ambiente virtual de aprendizagem precisa estar disponível 24 horas por dia, com um design amigável e boa usabilidade, para que seja fácil de navegar.  

Professores precisam dominar ferramentas

Os professores, por sua vez, precisam ter domínio sobre as ferramentas e uma plataforma fácil de usar, para poderem explorar toda a capacidade desse instrumento. Já que muitos ainda têm preconceito com o uso da tecnologia em sala de aula ou são de uma geração anterior, que não utilizou tanto a internet na sua própria formação. 

Nesses casos, cabe à instituição dar treinamento aos docentes, além de disponibilizar uma biblioteca virtual, com recursos audiovisuais, artigos e outros recursos que sejam relevantes às áreas ensinadas. 

Também é importante fazer pesquisas periódicas sobre o aproveitamento das tecnologias disponíveis, para receber feedbacks de funcionários e alunos sobre o desempenho das plataformas disponíveis. 

Só com esses cuidados é que as tecnologias de ensino podem realmente ser bem aproveitadas e utilizadas para estimular a inovação em sala de aula. E se você gostou de saber mais sobre o tema, compartilhe esse texto nas redes sociais. Ele pode inspirar professores e instituições de ensino a aplicarem as vantagens dessa ferramenta no  eu cotidiano!

Leia mais: Ações incentivam o uso da tecnologia na escola

Tecnologias de ensino: o futuro já chegou

Entendeu por que o uso das tecnologias de ensino é tão importante em sala de aula? Ainda mais quando estamos falando de universidades? Algumas grandes instituições de ensino, como a Estácio de Sá, por exemplo, já estão atentas a essa mudança de perfil dos alunos e em como despertar o interesse pelo conteúdo lecionado.

Ao mesmo tempo, para acompanhar essa mudança, os professores também precisam estar preparados, buscando capacitação constante.

Confira mais informações sobre cursos, capacitações, mercado de trabalho e dicas no blog Vai de Bolsa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui