A escolha da profissão nem sempre é fácil e, muitas vezes, a dúvida sobre seguir uma determinada carreira no lugar de outra surge no meio de um curso de graduação. São vários os motivos que podem levar o estudante a repensar a sua decisão inicial de ter ingressado em uma determinada área. Quando o melhor caminho parece ser o de mudar de curso, passar por uma transferência externa pode trazer diversos benefícios.

Importante, contudo, antes de desistir do curso escolhido, parar um pouco para considerar quais são os fatores que geram dúvida e buscar alternativas. Nesse momento, será importante avaliar as possibilidades de fazer uma transferência externa ou uma transferência interna, por exemplo. Se essa é a sua dúvida atual, continue essa leitura para ver algumas dicas que poderão ajudá-lo a tomar a decisão certa.

Como funcionam, na prática, os processos de transferência externa e interna?

Migrar de curso ou de instituição de ensino superior é uma prática comum atualmente. Essa mudança costuma ser uma boa solução para quem está insatisfeito com o seu curso atual, mas a decisão precisa ser individual, uma vez que ela depende da realidade de cada estudante. Para buscar a alternativa mais adequada para você, será fundamental estar bem informado sobre as possibilidades de mudança oferecidas pelo mercado.

Em geral, qualquer aluno matriculado em uma universidade pode solicitar transferência de curso ou mesmo mudar de instituição. Dentro desse cenário, há uma série de regras que variam conforme cada universidade.

As listas de documentos exigidos, por exemplo, possuem variações. Apesar de cada universidade exigir uma lista específica, elas costumam conter documentos pessoais, comprovante de matrícula e histórico com informações sobre as disciplinas cursadas com carga horária e conteúdos programáticos.

Para realizar uma transferências interna, ou seja, aquela que ocorre dentro da mesma instituição de ensino, é importante entrar em contato com o departamento específico para o qual você pretende fazer a sua nova matrícula e obedecer o calendário divulgado pela universidade.

Como o aluno já está vinculado à instituição de ensino e conhece os seus procedimentos internos, essa modalidade de transferência costuma ser mais simples em termos burocráticos. Ainda assim, é fundamental estar atento a todos os detalhes e não perder os prazos adotados pelo departamento do novo curso escolhido.

Em caso de transferência externa, quando há mudança de instituição, embora o aluno tenha que obedecer às regras da faculdade para a qual deseja ir, em um primeiro momento você deverá realizar a solicitação direto na instituição em que você está matriculado. Isso é necessário porque é essa instituição que tem todos os seus dados acadêmicos até o momento. Esse tipo de transferência pode ocorrer entre universidades federais, entre universidades privadas e entre instituições federais e privadas.

Apesar de o processo de transferência externa ser mais burocrático do que o de transferência interna, ele apresenta duas vantagens importantes. Primeiro, que ficará mais fácil você mudar para um curso que tenha uma grade curricular adequada para o que você deseja — afinal, você terá mais possibilidades de escolha, especialmente em cursos EaD. Depois, porque muitas instituições de ensino superior, como é o caso da Estácio, oferecem incentivos de bolsas de estudo para quem opta por uma transferência externa.

Qual é o melhor tipo de transferência para o seu perfil?

Após fazer uma relação de todas as suas dúvidas, avaliar o motivo da sua insatisfação com o seu curso atual e decidir que o melhor caminho será mesmo mudar o seu rumo profissional, você estará no momento certo de realizar a sua transição. É importante fazer isso de forma ponderada, afinal, essa decisão poderá mudar completamente o seu futuro profissional.

Nesse sentido, como descobrir se esse é o caminho certo para você? Optar por uma transferência, seja ela interna, seja externa, é a melhor alternativa para quem deseja mudar e não quer passar mais uma vez pela pressão de fazer um vestibular ou o Enem para entrar em uma universidade.

Se você quer aproveitar os créditos do curso que você iniciou e não deseja passar novamente por um processo seletivo, então a melhor alternativa para você será mesmo fazer uma transferência. Agora, o que é melhor: a transferência interna ou a transferência externa? Saiba que cada uma dessas modalidades atende a diferentes perfis. Entender qual é melhor para o seu caso ajudará a definir o rumo dos seus estudos.

Na transferência interna, como você vai mudar apenas de curso, continuando na mesma instituição de ensino, você terá a vantagem de seguir no mesmo ambiente de aprendizado. Essa alternativa deve ser considerada quando você está satisfeito com a infraestrutura atual da universidade mas não se identifica com a grade curricular ou com a carreira que você escolheu inicialmente.

No entanto, há situações em que o aluno sente insatisfação com a universidade em que está por fatores que variam desde a estrutura do curso até os benefícios oferecidos. Nesses casos, a transferência externa aparece como a melhor alternativa. Isso também ocorre quando a troca de curso ou área não é possível através de transferência interna porque a área desejada não é oferecida pela instituição de ensino.

Transferência externa pode ser opção para quem não deseja mudar de curso

Antes de ingressar em uma faculdade, é natural fazer pesquisas sobre as possíveis áreas de atuação e o mercado de trabalho relacionado com o curso escolhido. Entretanto, após o começo das aulas, conforme o tempo passa, alguns estudantes costumam questionar se a escolha feita não foi equivocada.

O que deve ser levado em consideração é que a dúvida pode ter surgido por falta de identificação com a área específica mas, também, pode ser fruto de insatisfação com o desenvolvimento das disciplinas, a grade curricular, o sistema acadêmico ou físico da universidade, entre outras razões estruturais.

Quando o aluno conclui que o descontentamento não é com a área escolhida, a transferência externa pode ser a melhor solução para o seu problema.

A mudança de instituição de ensino também pode ser uma boa alternativa quando o estudante busca alguma oportunidade de bolsa de estudos. Na Estácio, como comentamos antes, o estudante que faz transferência de outra instituição de ensino pode conseguir bolsa de até 70%.

Independentemente da razão que leva o estudante a buscar uma mudança de rumo durante a sua graduação, confiar na faculdade em que planeja concluir seus estudos será essencial para o futuro do profissional.

Por isso, seja qual for o motivo da sua decisão de migrar de curso, analisar a reputação da instituição de ensino e buscar aproveitar as melhores vantagens e oportunidades dentro da área escolhida serão passos importantes para que você acerte na sua nova trajetória.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe-o com os seus amigos e familiares. E se você se interessa pelo tema qualificação profissional, procura por cursos técnicos, de graduação ou de pós-graduação e bolsas de estudo, navegue pelo nosso blog. Aqui você encontrará muitos conteúdos de interesse sobre esses temas. Até o próximo texto!