Bolsas de Estudo com a Nota do Enem: Perguntas Frequentes

Acesse o Vai de Bolsa e confira mais de 800 mil bolsas de estudo disponíveis, os descontos podem chegar a 100%* em cursos de graduação e pós-graduação, seja presencialmente ou na modalidade de ensino à distância – EAD. Para calcular o seu desconto, basta informar a sua nota geral e selecionar como deseja estudar.

Faça o teste e descubra em média quanto de bolsa a sua nota vale!

Não se preocupe! O Vai de Bolsa oferece outras cinco formas de ingresso que não exigem a nota do exame.

Inscreva-se gratuitamente! Em até 48 horas após a solicitação, você receberá mais informações das instituições parceiras. 

Através do nosso simulador gratuito de nota do Enem, você consegue saber quais são as suas chances em mais de 35 faculdades particulares. Faça o teste!

Discurso direto e indireto: quais são as diferenças?

discurso direto e indireto

Quais são as opções que temos para reproduzir falas ou pensamentos de interlocutores ou personagens em um texto? É disso que estamos falando quando abordamos a questão do discurso direto ou indireto. Ou seja, discurso direto e indireto são tipos de discursos que usamos para inserir falas e pensamentos de personagens no gênero narrativo. Ainda podemos acrescentar uma terceira forma textual utilizada com essa mesma finalidade: o discurso indireto livre. 

Você sabia que o discurso direto, por exemplo, é muito cobrado no Enem? Pois é, se você vai fazer a prova e esse tema ainda não entrou na sua planilha de estudos, está na hora de acrescentá-lo a ela. Ainda que esse tema não seja nenhum bicho de sete cabeças, pode ser que ele cause algumas dúvidas, o que é supernormal.

Nesse artigo, vamos abordar as principais diferenças entre essas formas textuais e explicar por que você precisa estudá-las. Vem com a gente! 

Ah, e não esqueça de contar com a plataforma do Vai de Bolsa para pesquisar pelo seu curso de graduação nas melhores instituições de ensino do país, em com bolsas de estudo de até 70%. Vale a pena conferir!

Saiba mais: Confira os conteúdos de Português que mais caem no Enem

O que são discurso direto e indireto?

Antes de mais nada, vamos lembrar quais são as definições de discurso, segundo os dicionários: 

1. Fala, oratória. 

2. Prática, sermão, oração. 

3. Conjunto ordenado de frases, ditas em público ou escritas.

Agora observe os discursos abaixo:

1) O juiz perguntou:

– Algo a declarar?

2) O juiz perguntou se havia algo a declarar.

3) Então, o juiz conduzia a sessão e tentava o mais rápido que podia fazer a conciliação. Logo hoje que tenho uma agenda cheia! Ele não sabia se conseguiria resolver aquela situação. Tomara que eu consiga!

Existem grandes diferenças na organização dos discursos acima, não é mesmo? No primeiro caso, tenta-se reproduzir fielmente como a fala acontece. 

Já no segundo, percebe-se que essa referência ganha um aspecto indireto, ou seja, não há uma descrição exata do que foi dito. 

E, finalmente, no terceiro caso, temos os dois modelos linguísticos, direto e indireto. Há, ao mesmo tempo, uma descrição fiel da fala do interlocutor, bem como uma referência indireta a ela dentro do mesmo discurso. 

Essas três formas de referir-se às palavras ou pensamentos de interlocutores são chamadas de discurso direto, discurso indireto e discurso indireto livre. Cada uma delas possui características específicas que vamos analisar agora.

O discurso direto

Discurso direto é o texto, oral ou escrito, da fala de alguém, na íntegra. É quando as palavras de outra pessoa ou personagem são reproduzidas e separadas das falas do narrador.

Isso significa, em outras palavras, que é o próprio personagem que fala dentro da história. Veja dois exemplos:

Antônio disse:

— Vocês estão julgando esta moça sem saber da história toda!

“Vocês estão julgando esta moça sem saber da história toda”, disse Antônio.

Repare que o mesmo trecho pode ser representado utilizando aspas ou o travessão. A mudança de um para outro tem fins meramente estilísticos, não alterando o sentido do que é dito ou contado.

As palavras que introduzem ou explicam o que é expresso no discurso direto (disse, respondeu, redarguiu, falou, afirmou etc.) são chamadas de “verbos de elocução”. Esses verbos podem vir antes ou depois da fala dos personagens. 

Leia também: Conheça os detalhes de como são feitas as redações do Enem

O discurso indireto

Já o discurso indireto acontece quando o próprio narrador diz o que outra pessoa ou personagem disse. Portanto, o narrador utiliza suas palavras para transmitir a fala dos personagens. Esse tipo de discurso sempre é feito na terceira pessoa. Além disso, também são utilizados verbos de elocução para anunciar o discurso, além de conjunções que separam a fala do narrador das falas dos personagens (que e se).

Vamos analisar como fica o discurso direto que vimos acima na forma de discurso indireto: 

Antônio disse a eles que estavam julgando a moça sem saber da história toda.

Por meio desses dois exemplos fica bem clara a diferença entre os dois discursos, você não acha?

Repare que, no caso do discurso indireto, os verbos de elocução também são usados. Porém, separam-se da fala dos personagens pelo uso das conjunções adverbiais, como “que”, “se”, “onde”, etc.

Mas ainda temos uma terceira forma de discurso, que é considerada uma variação do discurso indireto. Por isso, veremos mais sobre ela a seguir. 

discurso direto e indireto

O discurso indireto livre

No discurso indireto livre, além de dizer as falas de outra pessoa ou personagem, o narrador também toma o lugar da outra pessoa para relatar seus sentimentos e desejos. Faz isso ao mesmo tempo em que coloca sua própria narrativa.

Ou seja, o discurso indireto livre acontece quando o narrador é onisciente e sua “voz” se mistura à “voz” do personagem. 

Veja nosso exemplo anterior, agora na forma de discurso indireto livre, para entender melhor:

Era muito angustiante. Antônio tinha certeza de que estavam julgando a moça sem saber da história toda. Ele afirmou isso aos presentes com todas as letras, mas foi ignorado. Quanta injustiça!

Ou seja, por alguns instantes, é como se o narrador assumisse o papel do personagem para retratar tão fielmente seu ponto de vista que ambos parecem a mesma pessoa, ao menos naquele momento.

Repare que, no discurso indireto livre, não há o uso de dois-pontos, aspas ou travessões. Também não é necessário fazer uso das conjunções adverbiais.

O discurso indireto livre tem sido amplamente utilizado na literatura moderna.

Quando usar o discurso direto e indireto?

Resumindo, podemos dizer que o discurso direto permite que os personagens falem em primeira pessoa, enquanto o indireto é caracterizado pela narração em terceira pessoa. 

No primeiro caso, o tempo verbal é aquele da ação como vista pelo personagem. No segundo caso, o tempo verbal utilizado é quase sempre o passado, já que o narrador conta como algo aconteceu e daí o seu distanciamento, tanto emocional quanto temporal.

O discurso direto é melhor para aproximar o leitor dos personagens, ao permitir que eles falem por si na narrativa. O discurso indireto, por sua vez, é mais “frio” e direto ao ponto, conferindo, portanto, mais fluidez e ritmo a uma história.

Praticamente qualquer trecho que esteja no discurso direto pode ser transposto para o discurso indireto e vice-versa. Então, optar por um ou outro é uma questão de estilo. Vamos ver mais sobre isso a seguir.

Leia também: Linguista: o que é, em que atua e qual o salário?

Discurso direto e indireto: como transpor de um para o outro?

Ao transpor entre um e outro, algumas regras devem ser observadas. O discurso direto pede o uso de dois pontos antes das falas dos personagens. Em alguns momentos eles podem ser omitidos, mas devem estar pressupostos. 

Em resumo, ao fazer a transposição você precisa prestar atenção em 7 pontos principais. Listamos abaixo as mudanças que devem ser feitas do discurso direto (DD) para o discurso indireto (DI), sempre indicadas pelo símbolo >. 

1. Pessoas e pronomes do discurso

O que estava em 1ª pessoa passa para a 3ª pessoa. Você deve mudar a pessoa do verbo e todos os pronomes da frase.

Eu > ele/ela

Nós > eles/elas

Meu > seu

2. Tempos verbais do indicativo

Presente > pretérito imperfeito

Pretérito imperfeito > pretérito mais-que-perfeito

Futuro do presente > futuro do pretérito

3. Tempos verbais do subjuntivo

Presente e futuro > pretérito imperfeito

4. Tempos verbais no imperativo

Imperativo > pretérito imperfeito do subjuntivo

5. Pontuação das frases

Frases interrogativas, exclamativas e imperativas > frases declarativas

6. Noções temporais

Ontem > no dia anterior

Hoje > naquele dia

Amanhã > no dia seguinte

7. Noções espaciais

Aqui > ali

Aí > lá

Este > aquele

Isto > aquilo

Veja alguns exemplos:

DD – Eu não bebo      

DI – Ele disse que não bebe

DD – Vou comer bolo essa tarde

DI – Ele disse que comeria bolo naquela tarde

Discurso direto e indireto no texto narrativo

Mas o que é esse texto narrativo onde o discurso direto e indireto aparecem? É aquele que conta uma história, por meio de uma sequência de fatos. 

Essa história é feita por personagens e uma trama bem elaborada. Isso significa que esse texto precisa ter um início, os desdobramentos do desenvolvimento e ainda um desfecho.

O texto narrativo é composto por 6 elementos: 

  • narrador;
  • enredo;
  • tempo;
  • espaço;
  • personagens;
  • discurso. 

Cada um desses compõe o texto narrativo e possui individualidades que devem ser estudadas e levadas em consideração quando você estiver analisando e escrevendo um texto narrativo.

Deu pra perceber que o nosso discurso direto e indireto são um dos elementos que compõem o texto narrativo? 

Saiba mais: Veja o que são gêneros textuais e por que conhecê-los é importante para o Enem

Cursos de graduação para quem gosta de estudar português

Se você tem afinidade com escrever ou estudar sobre a língua portuguesa, pode transformar essa aptidão em uma profissão. Para dar o primeiro passo, basta iniciar um curso de graduação. Na plataforma Vai de Bolsa temos muitas sugestões com valores muito acessíveis para você iniciar. Veja abaixo nossas sugestões e aproveite!

Se você gostou desse conteúdo e se interessa por outros relacionados à educação, não deixe de acessar o blog Vai de Bolsa

Lembre-se que na plataforma do Vai de Bolsa você pode procurar pelo curso de graduação de seu interesse nas principais instituições de ensino do Brasil, e com possibilidade de bolsa de estudo de até 70%. Vale a pena acessar e conferir.

Faça seu pedido de bolsa!
Em quantas faculdades quiser, de uma só vez.

Negocie o seu desconto diretamente com as faculdades!

Confira os posts mais acessados do nosso Blog

Se você está procurando por conteúdo valioso e altamente acessado, não deixe de conferir esta seção.